Marcello Casal/ Agência Brasil
Marcello Casal/ Agência Brasil

Saúde reforça importância de isolamento para evitar colapso do sistema

Secretário de vigilância sanitária da pasta, Wanderson Oliveira, diz que estratégia não é para impedir transmissão do coronavírus

Vinícius Valfré e Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2020 | 19h20

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde reforçou, nesta segunda-feira, 6, a importância do isolamento social como estratégia de combate ao novo coronavírus. O secretário de vigilância sanitária da pasta, Wanderson Oliveira, afirmou que a tese de isolar só as pessoas dos grupos de risco só seria viável se não houvesse déficit de leitos e equipamentos no sistema de saúde.

  Portanto, frisou o secretário, manter as pessoas em casa é fazer com que o sistema tenha condições de se preparar para os surtos. "O distanciamento social não é para impedir a transmissão. Equivoca-se quem acha que seja para isso. No distanciamento social o paciente é o sistema de saúde, não é a pessoa", disse.

O presidente Jair Bolsonaro vem criticando medidas de isolamento amplo ao afirmar que a estratégia prejudica a economia nacional. Ele contraria as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e as do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. O assunto é uma das divergências entre o mandatário e o seu auxiliar. Bolsonaro tem criticado a atuação de Mandetta nos últimos dias chegando a dizer que lhe faltava "humildade".

"A teoria do distanciamento social seletivo, em que eu abro o sistema para que populações jovens possam transitar, se infectar e criar com isso imunidade de rebanho, em teoria ela é razoável. Não tem problema do ponto de vista metodológico, desde que tivéssemos leitos, respiradores e equipamentos de proteção suficientes", afirmou o secretário. "O único instrumento de controle existente, possível e disponível é o distanciamento social".

Mandetta não participou da entrevista coletiva nesta segunda-feira. Todo o corpo ministerial foi convidado para reunião no Palácio do Planalto com Bolsonaro. A entrevista durou menos de 40 minutos e as autoridades só responderam a duas perguntas de jornalistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.