Igor do Vale/Estadão
Igor do Vale/Estadão

Secretaria da Saúde de SP vai monitorar CRMs de laudos e receitas

Serviço vai alertar o Conselho Regional de Medicina sobre a prática de emissão de laudos e receitas falsas por médicos

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

17 de maio de 2021 | 05h00

Preocupada com a falsificação de laudos ou receitas para a vacinação indevida de pessoas sem comorbidades, a Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo irá monitorar os números dos registros profissionais dos médicos que assinam os documentos para conseguir identificar eventuais irregularidades.

"Dentro do sistema Vacivida, a gente criou um campo no qual é preenchido o CRM do médico que assina o laudo atestando a comorbidade. Com isso, a gente consegue monitorar. Se percebermos, por exemplo, 300 laudos com o mesmo CRM e ainda o mesmo código de doença, poderemos linkar esses registros e alertar o Conselho Regional de Medicina a olhar isso e coibir", disse ao Estadão a coordenadora do Programa Estadual de Imunização São Paulo, Regiane de Paula.

Ela diz que essa é uma alternativa de monitoramento já que as unidades de saúde não têm condições de checar tanto a veracidade dos laudos quanto a condição de saúde informada no documento. Ela afirma que o monitoramento por CRMs pode coibir a prática de emissão de laudos e receitas falsas por médicos que estão recebendo esse tipo de pedido de amigos ou familiares ou até vendendo o documento.

"Não tem como impedir a pessoa de se vacinar porque não é possível escanear esse laudo e checar antes a situação. Mas esse monitoramento vai permitir que a gente perceba situações estranhas", diz ela. 

Regiane demonstrou preocupação com a situação e repudiou a conduta de pacientes e médicos que planejam usar ou emitir laudos falsos para ter acesso à vacina: "Esse médico que produz um laudo falso está tirando o direito de se vacinar de uma pessoa que está em maior risco. É uma questão de cidadania. Em um momento em que ainda não temos vacina para todos, precisamos colocá-la no braço de quem mais precisa".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.