EFE/EPA/SU YANG
EFE/EPA/SU YANG

Paraná e Rio Grande do Sul descartam casos suspeitos de coronavírus

Outro caso sob suspeita, de uma mulher de 23 anos, ainda não notificado pelo Ministério da Saúde, continua sendo monitoramento; paciente esteve na China nos últimos dias

Renata Okumura e Samantha Klein,, especial para o Estado

29 de janeiro de 2020 | 12h04

SÃO PAULO E PORTO ALEGRE - A Secretaria da Saúde do Paraná descartou na manhã desta quarta-feira, 29, que um paciente internado em Curitiba esteja infectado com o novo coronavírus. O secretário da Saúde, Beto Preto, disse que ele tem o vírus da influenza B. A prefeitura de São Leopoldo, na Grande Porto Alegre, também informou que o paciente internado na cidade com suspeita da mesma doença foi diagnosticado com H1N1. Já o caso da paciente de Minas continua sob investigação. 

O paciente de Curitiba, de 29 anos, esteve na China nos últimos dias. Ele foi a Curitiba a trabalho e procurou assistência médica em um hospital privado, onde permanecia internado em ala isolada para a realização de exames. Também na cidade, outra mulher de 23 anos, que esteve na China recentemente, está isolada para exames. Esse segundo caso paranaense não integra o balanço oficial do Ministério da Saúde.

"O caso da mulher já está descartado clinicamente pela análise do prontuário e andamento do quadro. Ela chegou dia 5 de janeiro da China, há mais de vinte dias. Epidemiologicamente está descartado, porque provavelmente é quadro de Influenza B também. Mas vamos aguardar o resultado", afirmou Márcia Cecília Huçulak, secretária da Saúde de Curitiba.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

 

O paciente de São Leopoldo, um professor de Inglês de 40 anos, será medicado com Tamiflu e ficará em observação em casa, conforme a secretaria municipal. Ele é morador da cidade chinesa de Kunming, a cerca de 1,5 mil quilômetros de Wuhan, epicentro da doença no país asiático, e está há cinco dias no Rio Grande do Sul.

Um segundo caso suspeito no município, um amigo que teve contato com o primeiro paciente internado está em investigação. O homem apresentou quadro febril na noite de terça-feira, mas também apresentou melhora e exames laboratoriais não apontaram nenhuma alteração.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.