Segunda dose é fundamental para imunização contra o coronavírus
Conteúdo Patrocinado

Segunda dose é fundamental para imunização contra o coronavírus

Prefeitura de São Paulo executa estratégia de busca ativa para população tomar a segunda dose da vacina contra a covid-19

Prefeitura de SP, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

13 de maio de 2021 | 07h00

Embora a procura pela vacinação contra a covid-19 esteja avançando no País, muitas pessoas ainda deixam de retornar às Unidades Básicas de Saúde (UBSs) para a aplicação da segunda dose do imunizante. De acordo com dados da Secretaria de Saúde da cidade de São Paulo, apenas na capital mais de 81 mil pessoas não completaram a imunização.

No Brasil, estima-se que 1,5 milhão perdeu o prazo entre uma dose e outra.

Para reverter esse índice no município, a Prefeitura executa estratégia de busca ativa junto às UBSs, que utiliza a relação de pessoas cadastradas no sistema de vacinação VaciVida e identifica aquelas que não receberam a segunda dose do imunizante.

A partir do cruzamento de informações entre o endereço do munícipe e a unidade mais próxima, os agentes de saúde entram em contato para verificar os motivos da abstenção e ressaltar a importância da vacinação correta.

Segundo imunologistas, as vacinas disponibilizadas no Brasil até o momento são desenvolvidas para aplicação em duas doses. Desse modo, as pessoas que não retornam para completar o ciclo ficam tão expostas ao contágio quanto aquelas que ainda não se vacinaram. Para quem perdeu o prazo, a recomendação é procurar um posto de saúde com urgência.

MENSAGENS, LIGAÇÕES E VISITAS IN LOCO

Para garantir a imunização adequada, a Prefeitura de São Paulo tem se munido de uma rede de comunicação que inclui desde recursos digitais até o atendimento presencial. Além de ligações e alertas enviados automaticamente pelo sistema de cadastro para vacinação, também

disponibiliza o aplicativo e-saúdeSP, no qual o usuário pode consultar datas e locais de vacinação e dados de saúde, e, agendar consultas e exames, além de se manter informado sobre o atendimento na cidade.

Para casos mais específicos, a rede municipal realiza os atendimentos de vacinação em domicílio. Desse modo, pessoas que se enquadram no grupo prioritário, mas têm dificuldade de locomoção ou estão acamadas, são atendidas por equipes de saúde em suas residências.

FRENTES DE ATENDIMENTO

Diariamente, a vacinação na capital é realizada seguindo os critérios de prioridade estabelecidos pelos planos de imunização.

Atualmente, a rede de postos conta com as 468 UBSs, mais de 150 postos em outros equipamentos de saúde e espaços públicos e de parceiros, além de 27 megadrive-thrus, que cobrem todas as regiões.

Para o morador da cidade Antonio Carlos de Camargo, de 64 anos, o sistema de drive-thru, em especial, agiliza o processo para os cadastrados, pois permite a imunização para quem passa de carro pelo local. “Eu me cadastrei no site da vacinação e nesta semana recebi o alerta para a vacina. Achei muito bem executado”, destacou ao receber sua dose do imunizante.

Maria Lucia Alves dos Santos, 64, que também se vacinou na última semana, aproveitou a ocasião para ressaltar a facilidade do mecanismo de drive-thru e a importância da vacinação. “A vacina é muito importante e deveria ser em massa. Sem ela, está difícil. O drive-thru é muito bom para agilizar as filas dos postos de saúde”, concluiu.

MANTENHA-SE ALERTA

Embora a vacinação contra a covid-19 na cidade de São Paulo esteja em andamento, os órgãos de saúde ressaltam a necessidade de seguir os cuidados básicos de prevenção. Por isso, mesmo quem já tomou a segunda

dose da vacina precisa manter os hábitos de usar máscara, lavar as mãos constantemente, garantir o distanciamento social e evitar aglomerações.

 

APLICAÇÃO DA SEGUNDA DOSE:

Butantan (Coronavac):

28 dias após 1ª dose

AstraZeneca:

12 semanas após 1ª dose

Pfizer:

12 semanas após 1ª dose

DOCUMENTOS PARA SEGUNDA DOSE:

Documento de identificação

(CPF)

Comprovante de vacinação (da 1° dose na cidade de São Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.