Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão
Imagem Daniel Martins de Barros
Colunista
Daniel Martins de Barros
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Segunda-feira

Por que há mais enfartes, idas ao hospital e sensação de mau humor às segundas?

Daniel Martins de Barros, colunista

12 de agosto de 2019 | 03h00

Boa segunda-feira, caro leitor. “O que uma segunda pode ter de bom?”, você se pergunta. Para nossa coluna de estreia nesse dia tão estigmatizado resolvi fazer umas pesquisas para entender um pouco mais sobre o primeiro dia útil da semana e encontrei coisas muito interessantes.

LEIA TAMBÉM >Caça às bruxas

A primeira coisa que chama atenção é um grande número de estudos falando que as pessoas enfartam mais nesse dia. Muitas hipóteses foram levantadas para explicar o fenômeno: estresse da volta ao trabalho depois do descanso; excesso de bebida ao longo do fim de semana; até registros hospitalares mais bem feitos no início da semana.

Na tentativa de encontrar uma resposta, médicos americanos reuniram dados de mais de 1,6 milhão de eventos cardíacos no mundo. O fato é que nenhuma das hipóteses pôde ser comprovada; até porque o aumento é muito pequeno - cerca de 1%. Só para se ter uma ideia, o aumento de enfartes no inverno é de 45% no hemisfério norte, mostrando que a influência da segunda-feira é realmente pequena.

Mas o que explica o fato de o movimento nos prontos-socorros ser maior às segundas-feiras do que em qualquer outro dia? Compilando os dados de serviços de emergência em dois estados da costa leste americana ao longo de um ano, pesquisadores registraram mais de 60 mil consultas e concluíram que, num hospital típico, a segunda tem um movimento quase 20% maior do que o do domingo. É interessante, contudo, que o número de consultas cai progressivamente ao longo dos dias. Além disso, feriados, dias frios, chuva e vários outros fatores também reduzem o movimento.

O excesso de procura no começo da semana parece não ser porque as pessoas adoecem mais, mas porque elas resolvem parar de enrolar e fazer o que precisa ser feito. Como ir ao médico. Aliás, isso não acontece só em serviços de emergência: em consultas de rotina, segunda tem um menor índice de falta de pacientes.

De fato, no começo da semana nós parecemos estar mais prontos para resolver as coisas. Um estudo interessante demonstrou isso ao instalar um software de monitoramento da atividade no computador de 32 funcionários de uma grande empresa americana. A partir do padrão de atividade - como o tempo que o trabalhador se mantinha engajado numa mesma tarefa, a alternância entre janelas de navegação da internet ou interrupções repentinas, como abandonar um e-mail antes de enviá-lo -, os pesquisadores estimaram o grau de foco ou tédio de cada pessoa ao longo da semana. Além disso, janelas pop-ups abriam de vez em quando na tela, perguntando como os funcionários estavam se sentindo. 

Os resultados mostraram que no ambiente de trabalho em geral há mais foco do que tédio, embora as pessoas sintam-se mais felizes realizando trabalhos rotineiros e mais estressadas durante aqueles que demandam muito foco. O pico de tédio é maior pelas manhãs, e o de foco, no meio da tarde.

Quanto ao dia da semana, segunda-feira é o dia de maior tédio, mas também de maior foco. Talvez por isso as pessoas achem o trabalho pior quando são entrevistadas nesse dia - uma década de pesquisas sobre o tema no Reino Unido mostrou que o emprego é consistente mais bem avaliado quando a pergunta é feita no final da semana.

É por isso então que ficamos de mau humor às segundas-feiras?

Não é verdade. De fato, seja ou não por influência do Garfield, o gato que ama lasanha e odeia as segundas-feiras, uma pesquisa mostrou que quando se pergunta para as pessoas qual manhã elas têm pior humor, 65% responde como o gato, sem titubear. No entanto, quando nossos sentimentos são acompanhados de perto, verificando como estamos nos sentido ao longo das horas e dos dias, não se verifica mais mau humor no primeiro dia útil. 

O que ocorre é que, como acreditamos que esse dia seja pior, acabamos nos lembrando mais das coisas ruins que acontecem nas segundas do que nos outros dias - mas todos têm sua quota de coisas agradáveis e desagradáveis. Mais de 300 mil entrevistas por telefone comprovaram que, embora às sextas-feiras as pessoas fiquem mais empolgadas, nos outros dias não há diferença significativa.

Então sorria. É segunda-feira. Com tudo de bom ou de ruim como qualquer outro dia.

* DANIEL MARTINS DE BARROS É PSIQUIATRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.