Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Seis pessoas acusadas por escândalo do leite na China

A melamina, tóxica, eleva os níveis de proteína registrados nos controles de qualidade do leite

EFE,

26 de dezembro de 2008 | 12h51

Seis pessoas foram acusadas, em diferentes tribunais, de envolvimento na adulteração do leite com melamina que causou a morte de seis crianças e intoxicou outras 294 mil na China, informou a agência de notícias Xinhua.   O tribunal de Shijiazhuang, na província de Hebei, limítrofe com Pequim, acusou Zhang Yujun de produzir 775,6 toneladas de "leite enriquecido com proteínas" que continha o composto químico tóxico melamina, entre outubro do ano passado e agosto deste ano, quando foi descoberto o escândalo.   A melamina eleva os níveis de proteína registrados nos controles de qualidade do leite, mas causa cálculos e falhas renais nas crianças.   Segundo a acusação, Zhang vendeu mais de 600 toneladas, no valor de quase US$ 1 milhão.   Outro processado, Zhang Yanzhang, comprou e revendeu 230 toneladas deste leite a outros intermediários, segundo o tribunal de Shijiazhuang.   O leite adulterado foi vendido nas localidades de Shijiazhuang, Tangshan, Xingtai e Zhangjiakou, na província de Hebei.   Na maioria dos casos, foi adquirido pelo grupo Sanlu, a principal empresa de leite do país e também a principal envolvida neste caso de intoxicação em massa.   Os outros quatro acusados que estão sendo julgados são Zhang Heshe, Zhang Taizhen, Yang Jingmin e Gu Guoping, todos eles acusados de acrescentar a "proteína em pó" a toneladas de leite e de vendê-las à Sanlu.   A ex-presidente e ex-diretora geral da Sanlu, Tian Wenhua, enfrentará um julgamento semelhante na próxima quarta-feira em Shijiazhuang.   Os diversos tribunais emitirão seus veredictos em uma data não especificada, acrescentou a agência Xinhua.

Tudo o que sabemos sobre:
leitemelaminachina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.