Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Sem provas, Bolsonaro diz que 30% das mortes por covid poderiam ser evitadas com cloroquina

Declaração ocorre no dia que Brasil chega a marca de 150 mil mortes por coronavírus; medicamento não tem efeito comprovado contra covid-19

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2020 | 18h22

No dia em que o Brasil chegou à marca de 150 mil mortes por covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que 30% dos óbitos poderiam ser evitados com o uso da cloroquina, um medicamento sem comprovação científica contra o novo coronavírus e rejeitado pela comunidade científica mundial.

Em transmissão ao vivo nas redes sociais, o presidente não comentou o número de mortos pelo vírus que o País atinge neste sábado, 10. Disse lamentar as vítimas e voltou a criticar medidas de isolamento social tomadas durante a pandemia.

Mesmo sem eficácia comprovada, o remédio virou aposta do presidente na estratégia de resposta à pandemia no Brasil. Na gestão do general Eduardo Pazuello, que começou em maio, o Ministério da Saúde passou a recomendar o uso do medicamento desde os primeiros sintomas da covid-19, contrariando orientações de entidades médicas e científicas, como a Organização Mundial de Saúde (OMS). 

Na transmissão, ao lado de uma apoiadora, no Guarujá (SP), Bolsonaro citou um suposto estudo afirmando que o medicamento não causa arritmia cardíaca. "Eu sei que eu não sou médico. Mas conversei com muitos médicos ou você acha que eu inventei a cloroquina?", questionou Bolsonaro, dirigindo-se à câmera no vídeo ao vivo. 

"Vou chutar aqui, vou chutar. Por volta de 30% das mortes poderiam ser evitadas com hidroxicloroquina usando na fase inicial", declarou o presidente. Outra solução, nas palavras de Bolsonaro, é a vitamina D. "Uma maneira de você conseguir vitamina D é pelo sol e a vitamina D ajuda aí a combater o vírus", declarou, ao falar das praias fechadas na crise, novamente sem apresentar provas. 

Mais cedo, em passeio pelo Guarujá, Bolsonaro posou para fotos, abraçou e conversou com apoiadores sem usar máscara. Na transmissão, ele pediu a uma apoiadora que tirasse a máscara que usava no início do vídeo ao vivo. 

Na mesma transmissão, Bolsonaro "chutou" outro número, que estava incorreto. Ele disse que o total de mortes no Brasil neste ano é "parecido" com a quantidade de óbitos do mesmo período em 2019, antes da pandemia. "Se você for analisar, eu não fiz as contas ainda, nós estamos agora, faz de conta que acabou setembro, se pegar o número de mortes de janeiro a setembro do ano passado e janeiro a setembro deste ano... fez as contas aí, Cid? (chefe da Ajudância de Ordens que acompanha o presidente). Se bobear, está parecido."

Dados oficiais, porém, contrapõem o presidente. De acordo com o Portal da Transparência do Registro Civil, mantido pela (Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (ARPEN Brasil), o País teve 1.069.456 mortes de janeiro a setembro de 2020. A quantidade é maior do que o mesmo período de 2019, quando 949.699 óbitos foram registrados, quase 120 mil mortes a mais. Além disso, todos os meses, individualmente, registraram mais mortes neste ano do que em 2019.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.