Google
Google

Com profissionais e equipamentos disponíveis, cidades de SP fecham leitos por falta de remédios

Desabastecimento de medicamentos para intubação restringe internações em UTIs de São Sebastião e Igarapava; São Paulo tem fila por vaga em terapia intensiva

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2021 | 05h00

A escassez de medicamentos para intubar pessoas hospitalizadas com a covid-19 começa a causar o fechamento de leitos de terapia intensiva. Em São Paulo, ao menos duas cidades estão transferindo pacientes que precisam de intubação, embora tenham à disposição equipe, camas e equipamentos na UTI. Mas faltam os remédios.

Com a alta de internações e o agravamento da pandemia do novo coronavírus, a maioria dos Estados têm registrado fila por leitos de terapia intensiva. Na rede pública paulista, por exemplo, a espera pode passar de uma semana e parte dos pacientes morre enquanto aguarda a transferência.

Em São Sebastião, litoral norte, a UTI Respiratória está com oito intubados, mas tem capacidade para 20. Há cerca de 10 dias, todo novo paciente que precisa do procedimento é imediatamente inserido na central de regulação estadual de leitos para ser transferido para São José dos Campos (a 100 quilômetros) ou Caraguatatuba (hospital de referência da região).

“Estamos já há um mês alertando para a falta e a baixa dos estoques”, diz o prefeito Felipe Augusto (PSDB). “Faltam sedativos no mercado. Os estoques foram baixando e chegamos ao nível de colapso, quando não tem.”

Ele comenta ter recebido uma “carguinha” de medicamento suficiente para manter só os pacientes já intubados por cerca de cinco dias e fazer o procedimento nos que chegarem enquanto aguardam a transferência. Se houvesse kit de intubação, a cidade poderia até mesmo receber pessoas de outros municípios, já que há fila de espera por UTI no Estado.

“Estão sendo transferidos neste momento em estado crítico ou grave, já intubados. Estamos com capacidade de 80% na UTI, mas não vai chegar a 100%, porque não tem insumo. Não colapsamos por falta de vaga, falta de atendimento, mas por falta de insumo”, destaca ele.

Cerca de 17 pacientes foram transferidos pela Central de Regulação de Ofertas e Serviços de Saúde (Cross). “O próximo ainda está na fila porque não tem mais vaga em São José dos Campos e no Hospital Regional do Litoral Norte”, comenta. 

Igarapava, de 30 mil habitantes e a 90 quilômetros de Franca, vive situação parecida. A Santa Casa local está com cinco dos dez leitos de terapia intensiva para covid-19 em uso, por falta do kit de intubação. “Nossos leitos estão completos, com todos os equipamentos necessários, equipe. Mas, hoje, a gente não coloca na UTI quem precisa ser intubado. Se precisar, coloca na Cross", conta o interventor do hospital, Marcelo Ormeneze.

Na segunda-feira passada, 22, mesmo com o valor alto, os kits de intubação foram comprados. O fornecedor, porém, avisou que não conseguiria entregá-los e cancelou a venda. “Custava R$ 32 a ampola de um sedativo que, agora, o fornecedor quer por R$ 270”, aponta. “Estamos vasculhando (fornecedores) no Rio Grande do Sul, no Rio de Janeiro, São Paulo inteiro.” 

Ele diz que o hospital guarda as poucas unidades remanescentes para uma “super emergência” e que procurou a gestora da cidade vizinha, que respondeu que só poderia ajudar “se não tiver outro jeito” e “com pouco”. Segundo Ormeneze, para leitos de enfermaria, há remédios, mas podem acabar “já, já”.

Na sexta-feira, a Santa Casa de São Carlos anunciou ter pedido a transferência de 60 internados em UTI e de gravidade moderada por falta de anestésicos. Com a doação de remédios de dois hospitais, a medida foi adiada por ao menos dois dias.

Em nota, a Secretaria Estadual da Saúde afirmou que o governo federal mandou, na sexta, 65,7 mil ampolas de neurobloqueadores e anestésicos, embora tivesse sinalizado envio de 259,8 mil. “A pasta está concluindo a distribuição do quantitativo para as regiões, inclusive Igarapava e São Sebastião.” Disse, ainda, que os departamentos regionais de Taubaté e de Franca auxiliam para manter o atendimento a pacientes, com remanejamento de remédios e transferências, se preciso.

Em coletiva de imprensa na sexta-feira, 26, o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, já havia comentado que os kits de intubação recebidos do Ministério da Saúde naquela manhã estavam em “quantidade muito reduzida”. “Uma capacidade de fomentar os nossos hospitais por só dois dias", apontou ele, que disse haver uma "reserva técnica" no Estado.

Ele apontou também que, com a requisição feita pelo governo federal a fabricantes, Estados e municípios estão com dificuldades para conseguir comprar os medicamentos, dependendo da redistribuição feita pelo ministério. “Criando essa barbárie que a gente tem visto”, acrescentou.

Problemas de abastecimento de kit de intubação vêm desde 1º semestre de 2020

Embora agravadas em 2021, as dificuldades de abastecimento de kit de intubação ocorrem desde o 1º semestre de 2020. Em maio, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) chegou a enviar ofício ao Ministério da Saúde após receber relatos dos gestores sobre estoques “comprometidos em função da indisponibilidade de alguns produtos no mercado nacional”.

Pouco depois, em junho, o conselho remeteu documento semelhante à Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), em que pede apoio para o abastecimento do kit de intubação. A principal necessidade é de sedativos, adjuvantes de sedação e relaxantes musculares, essenciais para o procedimento.

Na sexta, o vice-governador e secretário de Estado de São Paulo, Rodrigo Garcia, disse ter discutido o assunto em reunião dos governos estaduais com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM). Ele defende que a coordenação da compra dos insumos essenciais para covid-19 seja nacional. “Isso é urgente", declarou em coletiva de imprensa.

“Novamente, a lei da oferta e da procura volta a valer. Os remédios subiram demais de preço. Às vezes sobra num lugar e falta em outro”, apontou. Em São Paulo, há 13.834 leitos de UTI para covid-19, dos quais 9.581 são em hospitais e unidades públicos e filantrópicos. O balanço estadual deste domingo, 28, apontou o maior número de internações de toda a pandemia, 31.216, sendo 12.911 pacientes em terapia intensiva.

A taxa de ocupação de UTI é de 92%. Já a média móvel (calculada com base nos últimos sete dias) é de 3.550 novas internações diárias, entre terapia intensiva e enfermaria, mais do que o dobro registrado na 1ª quinzena de fevereiro e quatro vezes mais do que no início de novembro.

Na quinta-feira, 25, o secretário de Atenção Especializada à Saúde do Ministério da SaúdeCoronel Luiz Otávio Franco Duarte, chegou a declarar que os estoques de medicamentos kit de intubação devem ser para no máximo sete dias e defendeu ações em nível regional para remanejar estoques acima dessa meta entre as redes de saúde. “Essa interlocução tem que ter o discernimento que acima de 7 dias de estoque é luxo para atual situação", afirmou.

Metade dos hospitais privados prevê estoque para uma semana

Pesquisa divulgada na sexta em 81 hospitais privados do Estado aponta que 52% das instituições têm estoque suficiente para só uma semana ou menos dos medicamentos necessários à intubação de pacientes com a covid-19. O levantamento foi realizado pelo Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (SindHosp) e também mostra que 27% das unidades só têm oxigênio suficiente para os próximos sete dias ou menos. 

Conforme a pesquisa, 12% dos hospitais respondentes têm estoque de medicamentos para intubação suficientes para menos de uma semana, enquanto outro 40% teriam para apenas sete dias.  ”Precisamos de um prazo para recuperar nossa capacidade de atendimento, repor estoques e diminuir as internações”, observa Francisco Balestrin, presidente do SindHosp./COLABOROU JOÃO KER

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.