Amanda Perobelli/ Reuters
Amanda Perobelli/ Reuters

Sem vacina, três irmãos morrem de covid-19 em um intervalo de 8 dias em Santa Catarina

Caso provocou grande polêmica com declarações distintas sobre razões que levaram os três a não se imunizarem

Eduardo Amaral, especial para o Estadão

23 de setembro de 2021 | 19h22

Oito dias separam as datas de morte de três irmãos que faleceram em decorrência de complicações da covid-19 na cidade de São João do Sul, em Santa Catarina. Nenhum deles estava vacinado, o que gerou uma grande polêmica na pequena cidade catarinense.

Deneci Carboni Pedro, 51 anos, faleceu na segunda-feira, 21, depois de estar internada na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) por 21 dias. Antes dela, os irmãos Valdecir, 49 anos, e Denilde Carboni Pedro, 52 anos, faleceram no dia 13 de setembro em um intervalo de 7 horas da morte de Valdecir, que faleceu às 5h, e Denilde, que veio a óbito às 14h. Ambos, também em decorrência de complicações causadas pelo coronavírus. A polêmica no município de aproximadamente sete mil habitantes se instalou quanto aos motivos que levaram os três a não se vacinarem.

Logo após a morte de Deneci, jornais locais publicaram declarações da secretária municipal de saúde, Rejane Elíbio, de que as vacinas foram ofertadas, mas que os irmãos teriam se recusado a tomar. Na mesma ocasião, Altair Carboni Pedro, 55 anos, que é irmão das três vítimas, também foi à imprensa confirmar que eles não tinham se vacinado, mas dando uma nova versão, na qual dizia que Valdecir não conseguiu se imunizar devido ao trabalho, e que as outras duas irmãs tinham medo das reações por serem diabéticas e não foram bem informadas sobre os imunizantes.

A polêmica se instalou de vez na cidade, e procuradas pela reportagem do Estadão nesta quinta-feira, nenhuma das partes quis falar. A secretária de saúde afirmou em nota que o município não mediu "esforços em realizar ações conjuntas para conscientização e imunização da população, realizando o cronograma de vacina durante a semana e até mesmo mutirão aos sábados, para que o maior número possível da população fique imunizada, seguindo o cronograma da Secretaria de Saúde do Estado". 

O texto não deixa claro se os três irmãos que faleceram em oito dias recusaram a vacina. Apenas afirma que "como todos sabem, a vacinação não é obrigatória. O cidadão tem o direito de escolher por se vacinar ou não". A nota afirma, na sequência, que a secretaria realizou buscas ativas, mas não deixa claro se os irmãos que foram vítimas da doença foram atendidos.

A reportagem tentou contato com um irmão das vítimas que se recusou a falar e com a filha de uma das vítimas, que não atendeu às ligações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.