Senado aprova nova regra para comércio de anfetaminas

Substância é usada em coquetéis para emagrecer; importação e exportação vão depender de autorização

ANA PAULA SCINOCCA, Agência Estado

03 de agosto de 2010 | 18h53

O Senado decidiu hoje endurecer as regras para a produção, importação, comercialização e prescrição de anfetaminas no País. A substância é utilizada em coquetéis para emagrecimento. Pelo projeto aprovado, a importação e exportação da substância dependerá de autorização a ser expedida por órgão sanitário competente.

O projeto aprovado proíbe ainda que médicos prescrevam a anfetamina junto com outras drogas do grupo como benzodiazepínicos, diuréticos, hormônios, extratos hormonais e laxantes com finalidade de tratamento da obesidade ou emagrecimento.

A notificação de receita, estabelece o texto aprovado pelo Senado, terá de ser feita apenas por profissionais cadastrados e de forma personalizada e intransferível. A receita ficará retida pelo estabelecimento que comercializar o produto.

O texto aprovado é um substitutivo apresentado pela relatora da matéria, a senadora Rosalba Ciarlini (DEM-RN). A proposta original, do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), era ainda mais dura e pretendia banir o uso da anfetamina no Brasil.

Para apenas endurecer o uso, ao invés de proibir, Rosalba, que é médica, argumentou que existem indicações para o uso dessa droga, em especial no tratamento do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, da narcolepsia e da própria obesidade. A proposta segue agora para a Comissão de Assuntos Sociais (CAS), onde terá caráter terminativo. Após isso, o texto deve seguir diretamente para votação na Câmara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.