Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Shoppings reabrem no Rio com poucos consumidores e muitas restrições

Retomada dos estabelecimentos é uma tentativa de manter empregos e a sobrevivência das lojas, que há 83 dias tiveram que fechar as portas por causa da pandemia da covid-19

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2020 | 15h27

Rio, 11/6/2020 - Quarenta shoppings abriram hoje no estado do Rio de Janeiro, uma semana antes do previsto e após quase três meses fechados para conter o avanço do coronavírus, segundo a Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce), elevando para 385 o número de estabelecimentos em operação no País, dos 577 existentes.

O shopping Rio Sul, um dos mais antigos da capital, na zona sul, decidiu manter a previsão de abrir apenas no dia 16, como estava previsto. Outros muito frequentados decidiram reabrir, como Norte Shopping, Shopping Tijuca e Nova América, na zona norte, Botafogo Praia Shopping, Shopping da Gávea e Shopping Leblon, na zona sul, e Barra Shopping, na zona oeste, entre outros.

Cercados de restrições e com baixa frequência no primeiro dia de operação, a retomada dos shoppings é uma tentativa de manter empregos e a sobrevivência das lojas, que há 83 dias tiveram que fechar as portas por causa da pandemia da covid-19, avaliou o vice-presidente Institucional da Multiplan, Vander Giordano.

Com a experiência em sete shoppings já reabertos em outras cidades em maio, a Multiplan reabriu hoje o Barra Shopping, na zona oeste, um dos maiores da cidade do Rio, além do Village Mall e o Park Shopping Campo Grande.

"Contratamos um infectologista e criamos um protocolo próprio para a reabertura, validado pelo Hospital Sírio e Libanês, que inclui medidas adicionais às determinadas pela Prefeitura", explica Giordano diretamente do Barrashopping, onde foi conferir a abertura.

No Rio, os estacionamentos estão restritos a um terço da capacidade e para entrar no shopping é necessário medir a temperatura e higienizar as mãos com álcool gel, com alguns inclusive adotando tapetes para higienização dos sapatos. Quem estiver com temperatura acima de 37,5 graus é proibido de entrar. Também não é permitido aglomerações.

"Redobramos os cuidados com a higienização dos shoppings, e é importante que a população siga todas as recomendações de saúde para manter as lojas abertas", afirmou o executivo, informando que para a reabertura foi necessário investir na compra de máscaras, luvas, bactericidas, filtro para ar condicionado, câmeras para aferir temperatura, treinamento, álcool gel e em campanhas educacionais.

Menos tempo no shopping

De acordo com a experiência de Giordano, o fato dos restaurantes, cinemas e lanchonetes estarem fechadas garante a menor permanência dos consumidores no shopping, o que também ajuda a manter o ambiente saudável contra o vírus.

"O tempo de permanência nos shoppings que era de 70 minutos caiu para 28 minutos nos que foram abertos antes (maio), acho que aqui vai ser o mesmo", disse o executivo, que não cria qualquer expectativa em relação à reabertura na véspera do Dia dos Namorados.

"O momento é delicado para a economia, a renda da população foi abalada e o consumo está retraído, não temos nenhuma expectativa em relação à data", afirmou.

Durante os dias fechados, a Multiplan tentou ajudar os lojistas isentando de algumas taxas e reduzindo aluguel (50% em março e 100% em abril), isenção de 100% no fundo de promoção (março e abril) e 50% no condomínio (março e abril). "Se não nos unirmos o setor vai enfrentar mais problemas do que já estamos enfrentando", avaliou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.