Efe
Efe

Siamesas separadas com sucesso deixam hospital nos EUA

Meninas nasceram unidas pelo abdômen e foram separadas com sucesso no dia 7 de novembro

Efe,

03 de dezembro de 2011 | 08h54

As meninas dominicanas María e Teresa Tapia, que nasceram unidas pelo abdômen e foram separadas com sucesso no dia 7 de novembro num hospital de Richmond, nos Estados Unidos, receberam alta nesta sexta-feira.

Na entrevista coletiva no hospital onde foi realizada a operação, Lisandra Sanatis, mãe das meninas, agradeceu aos médicos, enquanto as duas crianças, que ainda não completaram dois anos de idade, sorriam e batiam palmas para as câmeras.

"Agradeço a Deus e a todos que tornaram isso possível", disse Lisandra com a ajuda de um intérprete.

Por sua vez, David Lanning, que liderou a equipe de 45 médicos e especialistas que participou da intervenção, afirmou que as meninas tiveram uma boa recuperação e provavelmente não irão necessitar de tratamento a longo prazo.

"Elas terão uma vida longa e saudável", declarou Lanning, que se mostrou satisfeito com os resultados da operação.

O médico afirmou que as meninas permanecerão em Richmond para acompanhamento médico, mas poderão retornar ao seu país antes do Natal.

As gêmeas nasceram unidas pela parte baixa do peito e do abdômen. A operação durou cerca de 20 horas. Segundo um comunicado do hospital, as meninas dividiam o fígado, parte do sistema biliar, as glândulas do pâncreas e a parte superior do intestino delgado.

Lanning explicou que um dos maiores desafios da equipe médica foi o fato de María ser cerca de 20% menor do que Teresa, pois não conseguia receber a nutrição necessária pela forma como estavam unidas.

Três semanas após a operação, os órgãos de ambas as meninas funcionam normalmente e ambas estão fazendo sessões de fisioterapia para que no futuro possam se sentar e caminhar por conta própria.

Tudo o que sabemos sobre:
siamesasgêmeasEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.