Sindicâncias foram abertas para apurar contas da Santa Casa

Resultado de auditoria externa deverá ser apresentado nesta quinta-feira aos irmãos da Santa Casa pelo governo do Estado

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

11 Dezembro 2014 | 03h00

SÃO PAULO - Indícios de má gestão da Santa Casa foram apontados por auditoria finalizada em setembro por uma comissão formada por representantes dos governos federal, estadual e municipal.

A análise financeira foi a condição imposta pelo governo do Estado para repassar verba extra para a Santa Casa em julho, após a instituição fechar seu pronto-socorro por 30 horas por suposta falta de recursos para a compra de materiais e medicamentos.

Na ocasião, o serviço foi reaberto graças a repasse emergencial de R$ 3 milhões da Secretaria Estadual da Saúde, que, em contrapartida, exigiu maior transparência na gestão da entidade.

Além da sindicância feita pelo governo, a secretaria contratou uma empresa de auditoria externa para fazer uma análise mais profunda das finanças da entidade. É o resultado dessa auditoria que deverá ser apresentado nesta quinta aos irmãos da Santa Casa pelo governo do Estado.

Também nesta quinta, a direção da entidade participa de nova audiência de conciliação na Superintendência Regional do Ministério do Trabalho para discutir com líderes sindicais o atraso no pagamento da 1.ª parcela do 13.º salário e da remuneração do mês de dezembro. Funcionários ameaçam parar a partir de sexta-feira.

Mais conteúdo sobre:
Santa Casa São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.