ESO/L. Calçada
ESO/L. Calçada

Sistema duplo resolve mistério de estrelas variáveis

Até agora, os astrônomos dispunham de duas previsões teóricas incompatíveis para a massa das cefeidas

estadão.com.br, estadão.com.br

24 Novembro 2010 | 18h46

Ao descobrir o primeiro sistema estelar duplo onde uma estrela do tipo conhecido como cefeida variável e outra, comum, passam em frente uma da outra, uma equipe internacional de astrônomos conseguiu determinar a massa da estrela pulsante, um dado que era alvo de disputas teóricas há décadas.

 

Até agora, os astrônomos dispunham de duas previsões teóricas incompatíveis para a massa das cefeidas. O novo resultado mostra que a predição vinda da teoria da pulsação estelar está correta, enquanto que a predição feita a partir da teoria de evolução estelar não está de acordo com as novas observações.

 

Os novos resultados da equipa liderada por Grzegorz Pietrzyn'ski estão na edição desta semana da revista Nature.

 

Em nota distribuída pelo Observatório Europeu Sul (ESO), Pietrzyn'ski afirma que as medições realizadas "permitem dizer imediatamente qual das duas teorias em competição utilizadas para prever a massas das cefeidas está correta.”

 

As estrelas variáveis clássicas cefeidas são astros instáveis muito maiores e muito mais brilhantes do que o Sol. Expandem-se e contraem-se de forma regular, levando entre alguns dias até alguns meses para completar o ciclo.

 

O tempo que levam para ganhar e perder luminosidade é maior para as estrelas mais luminosas e menor para as menos luminosas. Esta relação, extremamente precisa, faz das cefeidas uma das "réguas" mais eficazes na medição de distâncias até as galáxias próximas e, a partir daí, no mapeamento da escala do Universo.

 

Mas as cefeidas ainda não são completamente compreendidas. As predições das massas que derivam da teoria das estrelas pulsantes são 20%-30% menores que as predições feitas utilizando a teoria de evolução estelar. Esta discrepância é conhecida desde os anos 60.

 

Para resolver a questão, os astrônomos precisavam encontrar uma estrela dupla que contivesse uma cefeida e cuja órbita estivesse diretamente voltada para a Terra.

 

Nestes casos, conhecidos como binários de eclipse, o brilho das duas estrelas diminui quando uma das componentes passa em frente ou atrás da outra. Nesses pares, é possível determinar as massas das estrelas  com grande precisão.

Mais conteúdo sobre:
astronomiacefeidasnature

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.