Site que permite discussão sobre pesquisa em saúde já está no ar

Técnicos e demais interessados podem opinar sobre critérios do 'raio X' previsto para 2012 e 2013

Agência Brasil

31 de agosto de 2010 | 18h12

BRASÍLIA - Técnicos e pessoas interessadas já podem opinar virtualmente sobre os critérios a serem adotados na Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) - uma espécie de radiografia da saúde do brasileiro, prevista para 2012 e 2013. A discussão está disponível por meio do site lançado nesta terça-feira, 31, pelo Ministério da Saúde.

O inquérito de base populacional será realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e vai avaliar a saúde e alguns hábitos do brasileiro. O estudo, feito por meio de entrevista domiciliar, deve dar continuidade ao Suplemento Saúde da Pesquisa Nacional de Amostra Domiciliar (Pnad).

O planejamento inicial prevê que o enfoque seja na condição de saúde e no estilo de vida do entrevistado. Apenas um morador de 18 anos ou mais, escolhido por sorteio em cada residência abordada, responderá o questionário. Serão feitas também aferições de peso, altura, circunferência da cintura e pressão arterial, além de coleta de sangue para exames laboratoriais.

Para a coordenadora de Trabalho e Rendimento do ministério, Márcia Quintsler, é importante que o tema saúde deixe de ser visto como um suplemento e passe a integrar pesquisas independentes. “O IBGE mapeia temas fundamentais e, evidentemente, a saúde é um assunto de destaque, é a qualidade social mais intrínseca da vida humana”, afirmou.

O secretário de Vigilância em Saúde, Gerson Penna, admitiu que, até o momento, o País não conta com um quadro geral e aprofundado da saúde da população. Ele lembrou que as negociações para que um estudo em âmbito nacional fosse implementado começaram ainda em 2003 e caminharam “a uma velocidade quase de Congresso”.

A Pesquisa Nacional de Saúde deverá ter periodicidade de cinco anos e vai fazer parte do Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares. O questionário está em fase de elaboração, mas só deve começar a ser aplicado a partir de 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.