Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Sobe para 10 o número de mortes de macacos por febre amarela na capital

Desde outubro, foram encontrados 127 animais mortos na capital; parques da zona norte estão fechados

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

20 Dezembro 2017 | 12h36
Atualizado 20 Dezembro 2017 | 16h10

SÃO PAULO - O número de casos confirmados de macacos que morreram infectados pela febre amarela na capital subiu de quatro para dez, segundo a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. O balanço contabiliza mortes registradas desde outubro deste ano, quando a confirmação de que a morte de um primata foi causada pelo vírus fez com que o Horto Florestal e o Parque Estadual da Cantareira, na zona norte da capital, fossem fechados.

De acordo com a pasta, foram encontrados 127 animais mortos deste outubro e houve confirmação em dez casos. Até o início deste mês, tinham sido contabilizados quatro casos confirmados e 69 mortes.

+++ Prefeitura de SP quer vacinar 2,5 milhões contra a febre amarela

O Horto Florestal e o Parque Estadual da Cantareira, além de 13 parques municipais, estão fechados. Na zona leste, o Parque Ecológico do Tietê também teve visitação suspensa.

Em todo o Estado, entre julho de 2016 e novembro deste ano, foram registrados 2.183 casos de mortes ou adoecimento de macacos, dos quais 518 tiveram confirmação para a doença - 72% na região de Campinas, no interior paulista.

+++ Tire suas dúvidas sobre a febre amarela

Até o início desde mês, 23 casos autóctones da doença em humanos tinham sido registrados com dez mortes, segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde. O número subiu para 24, de acordo com balanço atualizado. Na capital, não há registro de casos autóctones em humanos.

Mais conteúdo sobre:
febre amarelaMacaco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.