Sobem para 1.124 os casos de gripe suína no mundo, diz OMS

21 países apresentam casos da doença; México tem 590 casos e 25 mortos e EUA têm 286 doentes e 1 morte

Efe,

05 Maio 2009 | 06h40

O último boletim divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta terça-feira, 5, aumenta para 1.124 o número de casos de gripe suína confirmados em 21 países, com 26 mortos.

 

Veja também

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde  

 

O México confirmou 590 casos de infecções humanas causadas pelo novo vírus gripal, incluindo 25 falecimentos, indicou a OMS.

 

Já os Estados Unidos têm 286 doentes, com uma morte registrada, enquanto no Canadá 140 pessoas foram infectadas pela gripe suína.

 

Também foram confirmados casos na Espanha (54); Reino Unido (18); Alemanha (8); Nova Zelândia (6); França (4); Israel (4); El Salvador (2); Itália (2); Áustria (1); Hong Kong (1); Costa Rica (1); Dinamarca (1); Irlanda (1); Holanda (1); Coreia do Sul (1) e Suíça (1).

 

A OMS voltou a dizer que não se deve restringir as viagens nem fechar as fronteiras, mas considerou "prudente que aqueles que estão doentes adiem viagens internacionais".

 

Além disso, pediu que as pessoas que apresentam sintomas gripais após uma viagem internacional busquem atendimento médico. A OMS assegurou que não há risco de infecção por comer carne de porco e seus derivados.

 

Brasil e hemisfério sul

 

No Brasil, o Ministério da Saúde informa 25 o número de casos suspeitos da doença, com a seguinte distribuição: Distrito Federal (2), Goiás (1), Mato Grosso do Sul (1), Minas Gerais (4), Paraná (1), Rio de Janeiro (3), Santa Catarina (1), São Paulo (10), Tocantins (2). Além disso, 60 casos foram descartados.

 

Embora os países mais duramente afetados pela doença estejam ao norte do equador, especialistas advertem que a chegada do inverno ao hemisfério sul, a partir de julho, poderá mudar esse cenário. O frio pode facilitar a disseminação do vírus e a ocorrência de mudanças genéticas que o tornariam mais contagioso ou perigoso.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.