Paula Lacerda/Arquivo Pessoal
Paula Lacerda/Arquivo Pessoal

Sofia reage à infecção e novo intestino funciona

Bebê se recupera de um transplante de cinco órgãos do aparelho digestivo em Miami; Justiça brasileira determinou que a União bancasse o custo do tratamento

José Maria Tomazela, O Estado

06 Maio 2015 | 16h09

SOROCABA - A menina brasileira Sofia Gonçalves de Lacerda, de um ano e três meses, que desde o dia 10 de abril se recupera de um transplante de cinco órgãos do aparelho digestivo em Miami, Estados Unidos, está com o novo intestino em funcionamento. De acordo com a mãe, Patrícia Lacerda, os alimentos colocados em seu estômago com o uso de sonda foram completamente digeridos. "Ela ainda não foi liberada para comer pela boca, mas isso deve ocorrer logo. Estamos ansiosos para que ela sinta o sabor dos alimentos", disse Patrícia.

Portadora de Síndrome de Berdon, doença rara que impede o funcionamento do sistema digestivo, Sofia passou por um transplante simultâneo de fígado, estômago, pâncreas, intestino delgado e intestino grosso no hospital Jackson Memorial, em Miami. A cirurgia foi bem sucedida e, depois de um período em unidade de terapia intensiva, o pós-operatório prossegue em quarto do hospital.

No último fim de semana, o bebê assustou os pais ao apresentar febre. De acordo com Patrícia, os exames apontaram uma infecção na urina. "Ela continua tomando antibióticos, mas está bem e já não apresenta mais febre", disse. A mãe conta que a menina adora brincar de esconde-esconde com os pais. Desde que o bebê foi levado para os Estados Unidos, em julho de 2014, o pai e a mãe acompanham o dia a dia de Sofia.

A Justiça brasileira determinou que a União bancasse o custo do tratamento, avaliado em mais de R$ 2 milhões. Através de uma campanha na internet que mobilizou 1,5 milhão de pessoas, a família conseguiu arrecadar outros R$ 2 milhões para custear a estadia nos Estados Unidos e os cuidados com a menina após a cirurgia. Segundo a mãe, Sofia ainda não tem data para voltar para sua casa, em Votorantim, região de Sorocaba. "A vida dela já é um milagre e estamos vivendo um dia de cada vez", disse.

Mais conteúdo sobre:
saúde síndrome de Berdon transplante

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.