Arquivo/AE
Arquivo/AE

Soja pode ser prejudicial para mulheres que sofrem de câncer de mama

Segundo estudo, alimento pode causar resistência a certos remédios e, com isso, ao tratamento

Efe,

02 de abril de 2012 | 19h22

O consumo de soja a partir da idade adulta pode ser um fator de risco para mulheres que sofrem de câncer de mama, pois pode causar resistência a remédios, segundo um estudo apresentado nesta segunda-feira na reunião anual da Associação Americana para Pesquisa do Câncer (AACR).

A pesquisa dos professores de Robert Clarke e Leena Hilakiv-Clarke, professores de Oncologia do Centro Medico Georgetown Lombardi, estudou a reação em ratos de laboratório entre o consumo de soja e sua resposta ao tamoxifeno, um remédio que costuma ser aplicado após um tratamento primário de câncer de mama.

O estudo, que dividiu os ratos em vários grupos, demonstrou que aqueles que tinham se alimentado durante toda sua vida com soja ou com algum componente que incluísse soja responderam bem ao tamoxifeno. No entanto, as espécies que começaram a consumir soja quando adultas e após desenvolver o câncer de mama, tiveram resistência ao tratamento.

"Estes resultados sugerem que mulheres que iniciaram o consumo de soja quando adultas devem deixá-lo se forem diagnosticadas com câncer de mama", afirmou Leena Hilakivi-Clarke em comunicado. A soja, um vegetal tradicional no Oriente, começou a ser usado como aditivo nas comidas no Ocidente há alguns anos.

O tamoxifeno, utilizado durante mais de 20 anos no tratamento de pacientes com câncer de mama, é um remédio em forma de pílula que interfere na atividade do estrogênio. O remédio é usado como tratamento adicional depois do primário para o câncer em sua etapa precoce e como prevenção para as mulheres que têm um risco elevado de desenvolver esses tipo de tumores.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Sojacâncer de mamamulheresSaúdeVida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.