Som relaxante ajuda a reduzir pressão sanguínea, diz estudo

Um grupo de voluntários idosos ouviu uma voz tranqüila e ondas do mar; outro, uma sonata de Mozart

EFE,

17 de setembro de 2008 | 18h13

 Um estudo apresentado em um congresso da Associação Americana de Cardiologia afirma que ouvir sons relaxantes pode ajudar a reduzir a pressão sanguínea em idosos hipertensos. O estudo, apresentado na 62ª Conferência para Pesquisa da Hipertensão, foi realizado na Universidade de Seattle e no centro cardiovascular da mesma cidade.   Durante quatro meses, três vezes por semana, um grupo de 41 idosos com hipertensão foi exposto a diferentes sons durante uma sessão de 12 minutos.   Os participantes estavam divididos em dois grupos. O primeiro, formado por 20 pessoas, ouviu uma voz suave que lhes pedia para relaxar todo o corpo e respirar profundamente, enquanto o som das ondas do mar soava ao fundo. O segundo grupo, com 21 idosos, escutou, durante esse tempo, uma sonata de Mozart.   Os pesquisadores mediram as pressões sanguíneas sistólica e diastólica antes e depois de cada sessão. Depois de quatro meses, nos dois grupos a pressão sistólica diminuiu 6,4% (de 141 a 132) no grupo que seguiu o programa de relaxamento, e quase 5% (de 141 a 134) no que ouviu Mozart.   A pressão diastólica, por outro lado, não diminuiu significativamente em nenhum dos dois casos.   A autora principal da pesquisa, a professora assistente da Universidade de Seattle Jean Tang, explicou que outros estudos sugerem que uma redução de 5 mmHg na pressão sistólica pode diminuir em 9% as mortes causadas por uma doença coronária e em 14% as relacionadas com derrame cerebral.   A pequena diferença entre os grupos, segundo Tang, pode ser a atenção dos participantes durante as sessões de audição. Entre os que escutaram música clássica, alguns possivelmente não relaxaram seus corpos.   Os tratamentos deste tipo, baseados na audição de sons como os empregados neste estudo - conhecidos como binaurais, são utilizados com sucesso há anos para tratar de dores crônica ou no treinamento de atletas.   Tang argumentou que o efeito benéfico deste tipo de tratamento estaria no fato de que eles "regulam as ondas cerebrais para o nível alfa, com um efeito calmante sobre os ouvintes que se concentrarem". Segundo ele, o método de relaxamento atua sobre o sistema nervoso parassimpático, que reduz a pressão sanguínea ao relaxar os vasos.

Tudo o que sabemos sobre:
cardiologiacoraçãomúsicapressão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.