Sonda nacional reduz custo de sondagem de nódulos na axila

Os linfonodos presentes nas axilas das mulheres com câncer de mama são sempre preocupantes para os médicos no momento da cirurgia. Caso eles estejam comprometidos, o risco de o tumor se espalhar para outras partes do corpo é bastante grande. Por conta disso, normalmente é feito o esvaziamento axilar. Para tentar evitar mais essa seqüela, que pode prejudicar até a movimentação dos braços, algumas técnicas foram desenvolvidas nos últimos dez anos para que o médico, no momento da operação, consiga saber exatamente se os linfonodos da paciente estão ou não comprometidos. Caso o teste dê negativo, a remoção de parte do tecido das axilas é evitada. Detector mais barato O problema, pelo menos para a maioria da população, é que as sondas para análise dos linfonodos são importadas dos Estados Unidos e custam entre US$ 15 mil e US$ 17 mil. Como esse equipamento não é coberto pelos planos de saúde, poucos médicos e pacientes decidem pelo procedimento. Em busca de uma solução nacional que possa oferecer a mesma segurança que o equipamento norte-americano, o engenheiro Iran José Oliveira da Silva, do grupo de dosimetria e instrumentação nuclear da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), resolveu estudar o problema no doutorado que acaba de concluir. O resultado é uma sonda que custa, em média, um terço da importada. ?Usamos um detector cintilador do tipo plástico, jamais utilizado para esse fim?, explica o cientista. Na sonda tradicional, o cintilador é do tipo sólido. ?Conseguimos fazer essa utilização por causa de um tratamento especial que foi dado sobre a superfície do equipamento. A resposta de sinal que obtivemos é inédita, em comparação com a da literatura estudada?, conta. Em linhas gerais, a sonda, por meio do cintilador, detecta a substância radioativa injetada no paciente. No caso do câncer de mama, é utilizado um composto à base de tecnécio. ?Conseguimos dominar bem tanto a tecnologia de acoplamento entre o cintilador plástico, o guia de luz e o fotosensor quanto a técnica de localização do linfonodo?, explica o engenheiro. Como o tecnécio se espalha por todo o corpo, mas se concentra no tumor primário e no caminho que as células tumorais fazem em direção ao linfonodo sentinela, os raios gama emitidos pelo elemento químico é que são decisivos para a decisão médica. A ausência de radiação indica que o tecido está saudável. Produção nacional ?A grande vantagem do cintilador plástico é o baixo custo associado ao domínio da tecnologia de fabricação. No Brasil, por exemplo, ele já é feito?, afirma Silva. Segundo o pesquisador, os testes feitos em laboratório, durante o projeto de doutorado, mostraram que o desempenho das duas sondas é praticamente igual. ?Vamos agora partir para a identificação de linfonodos sentinelas em pacientes durante o procedimento cirúrgico?, conta. Concluída essa segunda etapa, será estudada a viabilização da fabricação em larga escala da sonda com cintilador plástico.

Agencia Estado,

10 de abril de 2006 | 12h41

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.