Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Divulgação/Nasa
Divulgação/Nasa

Sondas da Nasa iniciam missão de mapeamento do interior da Lua

Duas sondas começaram no domingo a orbitar a Lua, preparando uma inédita missão de mapeamento do interior do satélite.

IRENE KLOTZ, REUTERS

02 de janeiro de 2012 | 08h47

As sondas gêmeas do Laboratório de Recuperação da Gravidade e Interior (Grail, na sigla em inglês, que também significa "graal") viajaram quase 4,2 milhões de quilômetros até entrar na órbita lunar, no sábado e domingo.

Ao longo dos próximos dois meses, suas órbitas, a 55 quilômetros de altura, serão ajustadas para que, voando sobre a Lua, as sondas possam reagir a mínimas alterações na gravidade. Esses dados permitirão que os cientistas identifiquem a composição do interior lunar.

"Estourem o espumante e brindem à Lua", escreveu a Nasa pelo Twitter depois de a primeira sonda concluir os 40 minutos da sua manobra de frenagem, às 20h do dia 31 de dezembro (horário de Brasília; 17h na Costa Leste dos EUA).

A segunda sonda fez o procedimento 25 horas depois.

Apesar de já terem ocorrido mais de cem missões à Lua, incluindo seis viagens tripuladas entre 1969 e 72, os cientistas ainda não sabem o que existe no interior do satélite.

A missão do Grail deve durar 82 dias, mas se as sondas, alimentadas por bateria solar, resistirem ao eclipse solar de junho, a missão poderá ser prorrogada para fazer um mapeamento mais detalhado.

As sondas foram construídas pela Lockheed Martin, e o custo da missão é de 496 milhões de dólares.

Tudo o que sabemos sobre:
CIENCIANASASONDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.