'Sou o único responsável', diz pai de Eluana após morte da filha

Italiana viveu 17 anos em coma e sua família conseguiu na justiça o direito à eutanásia; ela morreu na segunda

Efe,

10 Fevereiro 2009 | 10h00

Giuseppe Englaro, pai de Eluana, a italiana que morreu na segunda-feira, 9, após 17 anos em estado vegetativo, disse que é "o único responsável" e foi quem "levou a história até o fim", segundo reportagem desta terça-feira, 10, publicada pelo jornal italiano Corriere della Sera. Eluana Englaro morreu por volta das 20 horas (17h de Brasília) na casa de repouso La Quiete, em Udine (Itália), enquanto o Senado debatia um projeto de lei para proibir a suspensão da alimentação e da hidratação que a mantinha viva.   Veja também: Berlusconi critica presidente da Itália sobre o caso  Você concorda com a decisão de deixar Eluana morrer? Perguntas e respostas: entenda o caso  Veja tudo que foi publicado sobre o caso    O responsável da equipe de voluntários que procediam o protocolo médico que colocaria fim à vida de Eluana, o anestesista Amato De Monte, avisou Giuseppe por telefone. "Só quero ficar sozinho", respondeu o pai da italiana.   Segundo os meios de comunicação italianos que telefonaram a Giuseppe, ele respondia com a mesma frase e chorava, ato que veio a público pela primeira vez nos 11 anos de batalha legal pela eutanásia da filha. Giuseppe Englaro disse que, "se muita gente visse uma foto de Eluana atualmente, se calaria, mas não farei isso jamais".   Segundo o "Corriere della Sera", Eluana pesava 40 quilos, estava com braços e pernas encolhidos, e só podia ficar de lado, porque, virada para cima, poderia se asfixiar com os líquidos que fluíam de seu estômago atrofiado. Eluana ficava apoiada sobre o lado direito do corpo, o que lhe causava feridas na pele de todo o corpo.    Os inspetores do Ministério da Saúde italiano que a visitaram na sexta-feira passada - segundo o jornal - não imaginavam a deterioração que Eluana havia sofrido. Além disso, Giuseppe Englaro acrescenta que "tinha feito uma promessa a Eluana" e a manteve.   A promessa - segundo Giuseppe - foi feita à sua filha antes do acidente de trânsito que a deixou em estado vegetativo, em 1992, quando um amigo sofrera um acidente parecido. "Quando (Eluana) voltou de sua última visita ao amigo em coma, disse que não queria nunca ficar em uma situação assim, e me fez prometer que, independente do que houvesse, nunca a abandonaria nesse estado", disse Giuseppe Englaro.   "Suportei muito nestes anos, mas quero ficar sozinho, tenho muitas coisas em que pensar", ressaltou. A esposa de Giuseppe, Saturna, que atualmente está com câncer, também dissera antes que a filha "não aceitava os cuidados sem fim e sem resultado, considerava ficar assim uma barbárie".

Mais conteúdo sobre:
Caso Eluana eutanásia Itália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.