Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

SP bate recorde nas mortes por coronavírus: mais 87 óbitos em 24 horas

Pacientes com Covid-19 já ocupam metade dos leitos de internação em UTI no Estado, segundo governo

Bruno Ribeiro e Ludmila Honorato, O Estado de S. Paulo

14 de abril de 2020 | 15h49

SÃO PAULO - O Estado de São Paulo confirmou, nas últimas 24 horas, mais 87 mortes de pessoas por decorrência do novo coronavírus, atingindo um total de 695 óbitos. É o maior aumento de mortes registrado em um dia, desde que a doença chegou ao Estado. Nesta terça-feira, em São Paulo, epicentro da Covid-19 no País, há 9.371 casos já confirmados da doença. 

Em entrevista coletiva realizada pela Secretaria Estadual da Saúde, o infectologista Paulo Menezes, um dos coordenadores do Centro de Contingência do Covid-19, afirmou que cerca de 50% dos leitos de internação do Estado de São Paulo já são ocupados por pacientes com a doença.  "O número de leitos disponibilizado flutua muito. Em algumas condições, o hospital consegue liberar leitos que estavam sendo ocupados para outras coisas, como por exemplo trauma (acidentes), e dedicar ao Covid conforme eles são desocupados", disse. "A gente tem no Estado, hoje, uma ocupação média de cerca de 50%, mas ela varia muito conforme a região do Estado, porque a epidemia está mais forte aqui no município de São Paulo e na Grande São Paulo". 

"Quando você olha a grande São Paulo e alguns hospitais da cidade de São Paulo, você tem números diferentes", disse o infectologista David Uip. 

Em nota, a secretaria informou que há centros médicos em que esse percentual é até maior. “Alguns dos hospitais com maior percentual de uso da capacidade de leitos de Terapia Intensiva destinados especificamente para a doença, nesta data, são: Hospital Sancta Maggiore Higienópolis (83%), Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (77%), Hospital Municipal do Tatuapé (77%), Conjunto Hospitalar do Mandaqui (76%) e Santa Casa de São Paulo (71%)”, disse o texto.

Já são 183 cidades com pelo menos um caso e 73 municípios com no mínimo um óbito em São Paulo. "Insisto muito no distanciamento social, isso é vital", disse Uip. "A população tem de ter responsabilidade de que isso é absolutamente fundamental."

David Uip insistiu novamente na necessidade de distanciamento social. "Continua sendo vital e precisamos melhorar. É um desafio tanto nosso, na linha de frente, como da população. A população tem de ter responsabilidade de entender que isso é absolutamente fundamental", afirmou. Ele deu o próprio exemplo, contando que ficou isolado após a confirmação da covid-19 e que a famílila não foi contaminada.

"Nós temos que nos aproximar de 70% de isolamento social. Quanto mais nos aproximarmos disso, mais nós conseguimos achatar a curva e menor a pressão no sistema de saúde, desde a atenção primária até de alta complexidade. Não estamos conseguindo definir outros cenários para frente", disse Uip.

O coordenador do Centro de Contingência afirmou que o isolamento social traz também redução do número de acidentese e acidentados bem como uma interferência em quem tem doença crônica. "Quem necessita de tratametno regular não está procurando os hospitais".

Sobre os testes que chegaram hoje a São Paulo, Dimas Covas afirmou que a logística é centralizada e que serão distribuídos conforme a necessidade dos 34 laboratórios que compõem a rede. Segundo ele, existem mais laboratórios em processo de habilitação. "A perspectiva é que esse quantitativo seja suficiente para os próximos três meses", disse. A prioridade para realização dos testes são os óbitos, casos graves e profissionais da saúde.

osé Henrique Germann, secretário da Saúde, disse que os municípios de maior risco são aqueles da região metropolitana, no interior do Estado e litorais. Ele afirmou que o Estado possui 7 mil leitos de terapia intensiva, sendo que cerca de 3,7 mil são para adultos e o restante se destina às áreas de pediatria e neonatal.

Sobre os testes que chegaram hoje a São Paulo, o presidente do Intituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que a logística é centralizada e que serão distribuídos conforme a necessidade dos 34 laboratórios que compõem a rede. Segundo ele, existem mais laboratórios em processo de habilitação. "A perspectiva é que esse quantitativo seja suficiente para os próximos três meses", disse. A prioridade para realização dos testes são os óbitos, casos graves e profissionais da saúde.

"Entre as vítimas fatais, estão 409 homens e 286 mulheres. Os óbitos continuam concentrados em pacientes com 60 anos ou mais, totalizando 80,7% das mortes", informou o Estado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.