Divulgação/Governo do Estado de São Paulo
Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

SP discute se vai estender fase emergencial e mensagem à população preocupa; leia bastidores

Há preocupação sobre a mensagem que a saída da fase emergencial pode passar à população. Por mais que não existam tantas mudanças práticas na fase vermelha, o recado pode ser entendido como “já podemos relaxar"

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2021 | 05h00

Apesar de o centro de contingência da covid-19, que inclui 20 especialistas, já ter como certa a recomendação para pelo menos mais uma semana de fase emergencial no Estado, há chances ainda de tudo mudar. Alguns secretários e assessores próximos do governador João Doria (PSDB) estão preocupados com “um Estado fechado” desde o dia 6 de março, quando foi decretada a fase vermelha (que evoluiu para a atual). Mais 15 dias de comércio fechado e se chegaria quase às vésperas do Dia das Mães, data de recorde de vendas. 

A reunião do grupo deve começar somente na noite desta quinta-feira, 8, e ainda continua na manhã seguinte, antes da coletiva de imprensa. Para integrantes do centro de contingência, sim, houve uma melhora nos números, mas a quantidade de casos, internações e óbitos ainda é muito alta. Fora a taxa de ocupação de leitos de UTI que está em 89%, nada tão animador. 

Há ainda a preocupação sobre a mensagem que a saída da fase emergencial pode passar à população. Por mais que não existam tantas mudanças práticas na fase vermelha, o recado pode ser entendido como “já podemos relaxar”. 

Uma das poucas flexibilizações seria com relação à educação. Por ter sido decretada essencial no Estado, ela pode ficar aberta em qualquer fase, mas vários prefeitos pediram o fechamento no período emergencial. É o caso da capital. Se o Estado for para a fase vermelha, um decreto de Bruno Covas libera as redes pública e particular a voltar a receber 35% dos alunos no dia 12. No Estado, são cerca de 5 milhões de estudantes das duas redes. 

Mesmo com o rodízio e com o fato de que nem todos os pais liberam seus filhos para voltar ao presencial, é um incremento e tanto na movimentação de pessoas. Isso sem contar os professores. Com o agravamento da pandemia nas últimas semanas, nem o secretário da Educação, Rossieli Soares, conhecido defensor das escolas abertas, tem sido enfático na tese de que é hora de sair da fase emergencial. 

Portanto, não há muito como prever a próxima semana dos paulistas. A definição do governo, como já se tornou rotina na pandemia, será dada apenas horas antes do anúncio. 

Tudo o que sabemos sobre:
João Doriacoronavírusepidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.