REUTERS/Dado Ruvic/Illustration
REUTERS/Dado Ruvic/Illustration

SP já comprou 71% das seringas previstas para vacinar contra covid-19, diz governo estadual

Secretaria de Estado da Saúde informou que foram adquiridas 71 milhões de seringas e agulhas; João Doria disse na semana passada que expectativa é de 100 milhões

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2020 | 17h09

O governo do Estado de São Paulo informou nesta quarta-feira, 30, que adquiriu neste ano 71 milhões de seringas e agulhas para aplicação da vacina contra covid-19. O número representa 71% da previsão inicial do governador João Doria (PSDB). Na semana passada, ele informou que seriam adquiridas o total de 100 milhões. 

O release divulgado pela secretaria de Estado da Saúde informa que "em 2021, a pasta dará continuidade aos trâmites de aquisição para totalizar os 100 milhões de insumos". As seringas e agulhas serão entregues no decorrer do primeiro semestre do próximo ano. 

"Estamos preparados para a vacinação contra Covid-19 com todo o planejamento logístico e de insumos. O nosso programa de imunização tem expertise de mais de cinco décadas, prezando sempre para a proteção e segurança da população", destacou Jean Gorinchteyn, Secretário de Estado da Saúde.

Depois de adquirir 21 milhões desses insumos no decorrer do segundo semestre, o governo estadual realizou 27 pregões entre 18 e 23 de dezembro. Cada pregão previa a aquisição de 2 milhões de unidades de seringas de 1 e de 3 ml e três tipos de agulhas. As empresas vencedoras poderão entregar os insumos até julho, de acordo com a definição de cada um dos pregões.

O governo estadual prevê começar a vacinação no dia 25 de janeiro. Na primeira fase, está prevista a imunização de 9 milhões de pessoas dos grupos prioritários: profissionais de saúde, idosos, moradores de casas asilares, indígenas e quilombolas.

Nesta quarta-feira, o governo informou ter recebido um lote com 1,6 milhão de doses da vacina Coronavac produzidas pelo Instituto Butantã. Agora, já são cerca de 10,8 milhões de vacinas adquiridas, suficientes para a fase inicial da campanha. 

Ministério da Saúde fracassou na primeira tentativa de comprar seringas e agulhas para a vacinação no Brasil.  Das 331 milhões de unidades que a pasta tem a intenção de comprar, só conseguiu oferta para adquirir 7,9 milhões no pregão eletrônico realizado nesta terça-feira, 29. O número corresponde a cerca de 2,4% do total de unidades que a pasta desejava adquirir. 

Agora, o Ministério da Saúde terá que realizar novo certame, ainda sem data definida. A compra de seringas e agulhas costuma ser feita por Estados e municípios. Durante a pandemia, porém, o ministério decidiu centralizar estes insumos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.