SP realiza a 1ª cirurgia de próstata por acesso único da América Latina

Técnica minimamente invasiva, com uso de aparelho e câmera, faz um orifício abaixo do umbigo

estadão.com.br

26 Janeiro 2011 | 16h23

SÃO PAULO - O Centro de Referência em Saúde do Homem, da Secretaria de Estado da Saúde, realizou na capital paulista a primeira cirurgia de próstata da América Latina a fazer um único orifício abaixo do umbigo, por meio do qual entram um aparelho e uma câmera de vídeo para auxiliar a equipe médica.

A operação por acesso único oferece mais conforto ao paciente por ser minimamente invasiva e muito mais rápida que a convencional, em que o doente recebe cortes em todo o abdômen. Com a atual técnica, a internação dura apenas um dia e o processo pós-operatório leva outros quatro, enquanto no método tradicional a pessoa precisa ficar internada por uma semana e permanecer em repouso por até um mês.

Essa tecnologia também traz otimização de recursos: estima-se que, pela rápida alta, a economia com internação e medicamentos seja de R$ 1,2 mil por paciente. Além disso, a pessoa pode voltar à vida profissional mais cedo.

O aparelho, chamado de "single port", foi usado pela primeira vez para tratar hiperplasia prostática (crescimento benigno do órgão) em um Hospital de Cleveland, Ohio, nos Estados Unidos. A operação durou mais de cinco horas, seis vezes além do tempo gasto em São Paulo.

"Seremos o primeiro centro em toda América Latina, com profissionais altamente treinados, a realizar rotineiramente essa cirurgia. É um avanço na medicina, principalmente para a rede pública de saúde, que vai trazer mais qualidade de vida aos pacientes", afirma o médico chefe do serviço de urologia, Joaquim Claro.

O método é indicado para pacientes que estejam com a próstata muito dilatada, chegando a pesar até 100 gramas. No tamanho normal, ela pesa entre 15 e 20 gramas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.