Prefeitura de Manaus
Prefeitura de Manaus

SP suspende envio de doação de vacina ao Amazonas e alega problema no controle da fila

Posição do governo João Doria, que prometeu 50 mil doses extras para o Estado, ocorre após questionamento da Justiça Federal sobre previsão feita em janeiro

Gonçalo Junior e Liege Albuquerque, Especial para o Estadão

10 de fevereiro de 2021 | 14h00

SÃO PAULO E MANAUS - O governo de São Paulo informou que suspendeu o envio de 50 mil doses da Coronavac ao Amazonas prometido pelo governador João Doria (PSDB) em janeiro em razão da crise no sistema de saúde do Estado. O motivo alegado para a suspensão foi a “falta de planejamento e controle” da campanha de vacinação. A gestão disse que agora aguarda a apresentação do cronograma estadual de imunização para enviar as doses prometidas.

A posição do governo ocorre após questionamento da Justiça Federal no Amazonas, que cobrou em despacho o governador João Doria sobre as doses previstas. A suspensão não havia sido informada à Fundação de Vigilância Sanitária (FVS) do Amazonas. 

As 50 mil doses integrariam um envio extra ao Estado em razão do momento de crise e foram anunciadas por Doria em 17 de janeiro. As remessas regulares do rateio entre todos os Estados, tanto da Coronavac quanto da vacina de Oxford/AstraZeneca, já chegaram ao Amazonas.

A FVS disse em nota que não tem informação sobre o porquê de as vacinas ainda não terem sido enviadas, mas acredita que “as 50 mil doses que serão destinadas ao Amazonas estão em fase de produção, após a chegada ao Brasil de um avião com 5,4 mil litros de insumos para a produção do imunizante pelo Instituto Butantan”.

A juíza da 1ª Vara Federal do Amazonas, Jaiza Fraxe, já havia cobrado a FVS sobre o recebimento das vacinas. No fim de janeiro, a magistrada foi informada que as doses ainda não tinham chegado. A partir daí, uma carta precatória foi enviada a São Paulo, com pedido de esclarecimentos por parte do governador João Doria. 

A aplicação da vacina no Amazonas começou marcada pela polêmica de aplicação em pessoas que supostamente não integravam os grupos prioritários. Em ação na Justiça, o Ministério Público chegou a pedir a prisão do prefeito de Manaus e da secretária de Saúde da capital por problemas na organização da aplicação, com suposto favorecimento ilegal. O caso está sob análise da Justiça Federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.