Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

SP tem 642 mil pessoas com atraso para a segunda dose da vacina contra a covid-19

Proteção só está completa com o reforço na vacinação, alertam autoridades. Necessidade aumenta diante do avanço da variante Delta do novo coronavírus, que tem transmissão comunitária no Estado

Mariana Hallal , O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2021 | 17h14

Correções: 21/07/2021 | 19h39

No Estado de São Paulo, 642 mil pessoas estão com a segunda dose da vacina contra a covid-19 atrasada. A informação foi divulgada pela coordenadora do Programa Estadual de Imunização (PEI), Regiane de Paula, nesta quarta-feira, 21, em coletiva de imprensa do governo.

No início de junho, quando São Paulo fez uma ação para diminuir o número de pessoas com o esquema vacinal atrasado, 400 mil pessoas precisavam receber a segunda dose. O Estado não divulgou novas ações nesse sentido, mas Regiane pediu para que todos aqueles que tomaram a primeira dose da vacina chequem a data do reforço no cartão de vacinação. "Só com as duas doses você estará protegido", afirmou.

Jean Gorinchteyn, secretário estadual de Saúde, falou que o número de pessoas com a segunda dose em atraso é pequeno, mas significativo. “Estamos chamando as pessoas para que tomem a segunda dose e estejam devidamente protegidas”, falou.

João Gabbardo, coordenador executivo do Centro de Contingência da Covid-19, falou que todas as campanhas de vacinação com imunizantes aplicados em duas doses apresentam uma dificuldade adicional relacionada ao cumprimento do calendário. Para ele, outro fator que pode estar fazendo com que as pessoas não tomem a segunda dose são os efeitos colaterais sentidos após a primeira. "Isso é um equívoco", disse.

Gabbardo também pediu que o Ministério da Saúde faça campanhas de informação e conscientização sobre a importância da segunda dose. Ele acredita que uma comunicação mais eficaz por parte do governo federal fará com que os motivos que impactam na baixa adesão sejam superados.

O Estado já registra transmissão comunitária da variante Delta do coronavírus. A cepa é mais transmissível que a Gama, atualmente dominante no País. Por isso, a vacinação com duas doses é ainda mais importante. “Essas variantes têm sido mais frequentes naquelas pessoas que ainda não têm a segunda dose da vacina”, afirmou Gabbardo.

Correções
21/07/2021 | 19h39

Diferente do que foi publicado anteriormente, o número de atrasados para a segunda dose é 642 mil pessoas, e não 462 mil.

Tudo o que sabemos sobre:
coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.