Governdo do Estado de São Paulo
Governdo do Estado de São Paulo

SP tem registro recorde de mortes por coronavírus, Grande SP tem 81% dos leitos de UTI ocupados

Informação foi divulgada em entrevista coletiva da Secretaria Estadual da Saúde nesta terça-feira, 28. Foram 224 novas mortes. Total chega a 2.049 óbitos e há 24.041 casos confirmados da doença

Paloma Cotes e João Ker, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2020 | 12h46
Atualizado 22 de julho de 2020 | 09h18

SÃO PAULO - Estado com maior número de casos do novo coronavírus no País, São Paulo registrou um recorde de mortes pela doença, com 224 óbitos, um aumento de 12% em relação ao número divulgado na segunda-feira, 27. Com isso, São Paulo já contabiliza 2.049 mortes. A informação foi divulgada em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes. "Como não temos uma fila de testes, isso significa que esses novos casos foram confirmados e são desses dias, por agora", afirmou o secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann.

Chefe do Centro de Contigência da Covid-19 no Estado, o infectologista Davi Uip afirmou que "o balanço de óbitos nas últimas 24 horas é o mais importante até então."

Questionado se o aumento das mortes teria relação com uma queda no isolamento social, Uip disse que "não tem a menor dúvida disso". "No começo, quando discutimos o isolamento, nos baseávamos em trabalhos de outros países. Agora, nossos números são contundentes. Se você tem uma taxa de isolamento social de 50% a mais, há impacto positivo na curva de infectados, de doentes e de óbitos. Quanto mais, melhor. Essa equação está feita", disse. 

A taxa de isolamento social oscilou e apresentou queda nos últimos dias, ficando em 48% novamente nesta segunda-feira, 27. "Estamos em alerta amarelo. Isso é muito perigoso", disse Germann. De acordo com o governo do Estado, a meta é de 60% de isolamento. O ideal é 70%, a fim de evitar o colapso do sistema de saúde. 

O Estado tem 24.041 casos confirmados da doença, com 2.300 novos casos, um aumento de 11%. Das 645 cidades paulistas, 305 tiveram pelo menos um caso da doença. 

De acordo com o balanço, 81% dos leitos de UTI na Grande São Paulo estão ocupados. No Estado, esse índice é de 61,6%. De acordo com Germann, 1.437 pessoas estão internadas em UTI.  Em enfermaria, há 1.800 pacientes internados. A taxa de ocupação nesses leitos é de 44,5% no Estado e 70% na região metropolitana. 

"Estamos chegando em um limite perigoso", afirmou Geraldo Reple Sobrinho, secretário municipal de Saúde de São Bernardo do Campo e presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo (Cosems/SP). "Quando se atinge 80%,  (de ocupação de leitos de UTI) começa a ter um certo risco muito aumentado. Esses números que vão dizer  o caminho a ser seguido, os números de taxa de ocupação hospitalar e taxa de ocupação de UTI. Porque a média de permanência de um doente da covid-19 em UTI é de mais de 15 dias. Isso quer dizer que em um leito de UTI, eu consigo colocar dois pacientes por mês. Então, se olharmos os números hoje, e com essa taxa de ocupação, estamos chegando no limite", disse Sobrinho, que participou da coletiva e é membro do Centro de Contigência. 

Questionados sobre a possibilidade de flexibilização da quarentena no Estado, que é válida até o dia 10 de maio para os 645 municípios paulistas, tanto Germann quanto Uip afirmaram que essa flexibilização "ainda está em análise".

"Não há possibilidade nenhuma de relaxamento antes do dia 10 e isso serve para todo o Estado. O Estado apresentou um plano que está adequado. O mundo inteiro apresentou planos, mas a implementação vai depender de muitos fatores. O governador já disse que a implementação será dará com base em ciência, metodologia e pesquisa", frisou Uip. 

"Estamos com quarentena até dia 10. O que manda (sobre a flexibilização) são os números e dados que vamos analisando a cada dia", disse Germann. 

Uip frisou que é importante que as pessoas continuem em casa. "É chato, mas é absolutamente fundamental. É difícil as pessoas continuarem tendo limitações, mas é assim que funciona. Não há plano B. Nós temos o plano A, que é este. Então, reitero a necessidade e minha preocupação. Vejo movimento maior, vejo as pessoas jogando futebol em quadras, em postos de gasolina bebendo e conversando como se nada houvesse. Nada mudou, nós estamos em um período de muita tensão. Parte da população está acatando essas recomendações do Estado. E o Estado continuou funcionando em áreas essenciais", disse.  

O governador João Doria (PSDB), que não participou da entrevista desta terça-feira, já havia afirmado que, se as taxas de isolamento continuarem baixas, pode não haver flexibilização da quarentena na região metropolitana.

Nesta terça, Doria participou de uma teleconferência com prefeitos de 31 cidades do Estado. “O isolamento social é fundamental. Cidades que estão mantendo o índice entre 60% e 70% serão cidades com mais oportunidades de flexibilização do que aquelas que não estão tendo o mesmo desempenho”, informou o governador, em nota.

Na quarta e na quinta, Doria deve ter outras reuniões com prefeitos da região metropolitana de São Paulo e também com prefeitos de cidades com menos de 200 mil habitantes.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.