STJ proíbe Libbs de fabricar ou vender o anticoncepcional Elani

O laboratório Libbs Farmacêutica não pode fabricar e comercializar o medicamento anticoncepcional Elani até nova decisão judicial. A determinação é do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e foi confirmada pelo presidente da Corte, ministro Edson Vidigal. O Libbs disputa com o laboratório Schering do Brasil Química e Farmacêutica o direito de patente sobre a pílula, que a Schering comercializa sob o nome de Yasmin. A Schering AG, sociedade norte-americana, detém a patente do medicamento. A empresa tomou conhecimento do lançamento por parte do laboratório Libbs do anticoncepcional Elani e afirma que o produto infringe a patente do Yasmin. O Libbs já teria obtido o registro do Elani junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Agencia Estado,

26 de janeiro de 2006 | 09h34

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.