Reuters
Reuters

Substâncias tóxicas ameaçam saúde de 125 milhões de pessoas

80 milhões correm risco de morrer prematuramente ou perder qualidade de vida pelo contato com essas substâncias

Efe,

24 Outubro 2012 | 16h32

 Poluentes e substâncias tóxicas resultantes de atividades industriais ameaçam a saúde de 125 milhões de pessoas no mundo, especialmente nos países em desenvolvimento, onde 80 milhões correm risco de morrer prematuramente ou perder qualidade de vida pelo contato com essas substâncias.

O dado foi divulgado nesta quarta-feira, 24, em teleconferência pela diretora-executiva da Cruz Verde da Suíça, Nathalie Gysi, durante a apresentação do "Relatório de Meio Ambiente 2012".

O documento, apresentado pela Cruz Verde Suíça e pelo Instituto Blacksmith de Nova York, identifica os dez piores poluentes de todo o mundo e quantifica a escala global o dano que as substâncias tóxicas causam à saúde.

O chefe do projeto do Blacksmith Institute, Bret Ericson, detalhou que as pesquisas foram realizadas em 2.600 áreas industriais de 49 países com níveis de renda baixos ou moderados nas regiões da América Latina e do Caribe, do leste da Europa, da Ásia e da África.

Alguns dos produtos tóxicos mais nocivos são o chumbo, o cromo, o mercúrio e o amianto (ou asbesto), em processos como a reciclagem de baterias, a fundição de chumbo, a mineração e o processamento de minerais.

Os poluentes também afetam pessoas que trabalham em lixões de resíduos industriais e domésticos, e em outros processos como o curtume, a mineração artesanal, a fabricação de produtos - eletrônicos, baterias e revestimentos metálicos -, a produção química e a indústria do tingimento têxtil.

Mais conteúdo sobre:
poluição saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.