EFE/EPA/Mads Claus Rasmussen
EFE/EPA/Mads Claus Rasmussen

Subvariante da Ômicron BA.2 é mais contagiosa do que linhagem 'original', diz Dinamarca

Ministro da saúde dinamarquês afirma que não há evidências de que subvariante cause doença mais grave do que a cepa BA.1, mas provavelmente é mais contagiosa. Subtipo se tornou responsável por 98% dos casos de covid-19 do país

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2022 | 16h00

COPENHAGE - A subvariante BA.2 da variante do coronavírus Ômicron, que rapidamente se tornou mais dominante na Dinamarca, parece ser mais contagiosa do que a linhagem mais comum, a BA.1. A informação foi dita pelo ministro da saúde dinamarquês Magnus Heunicke na última quarta-feira, 26. “Não há nenhuma evidência que a subvariante BA.2 cause uma doença mais grave, mas ela provavelmente é mais contagiosa”, afirmou.

A linhagem BA.1 é a responsável atual por 98% de todos os casos de covid-19 identificados globalmente. No entanto, na Dinamarca ela deixou de prevalecer por conta do surgimento da BA.2, que se tornou a mais dominante a partir da segunda semana de janeiro. Casos deste subtipo também foram registrados no Reino Unido, na Suécia e na Noruega, mas em número muito menor do que na Dinamarca.

Segundo a Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido, a BA.2 é uma linhagem do vírus sob investigação e pode ter uma vantagem de contágio com relação à mais comum. Estudos preliminares do do Statens Serum Institut (SSI), principal autoridade de doenças infecciosas da Dinamarca, também indicam que esse subtipo pode ser 1,5 vezes mais infeccioso que a BA.1.

No entanto, a análise inicial do instituto não identificou diferença no risco de internação pela BA.2 em relação a BA.1. "Há alguma indicação de que é um subtipo mais contagioso, especialmente para os não vacinados, mas também pode infectar pessoas que foram vacinadas em maior medida", disse a diretora técnica da SSI, Tyra Grove Krause, esta semana.

Ainda de acordo com a diretora, isso pode significar que o pico da pandemia de covid-19 na Dinamarca vai se estender em fevereiro mais do que o previsto anteriormente. O país anunciou planos para o fim das medidas de restrições até esta terça-feira, 1º, apesar do número recorde de infecções diárias. Será o último país da Europa a relaxar as medidas restritivas. 

A BA.2, que não tem uma mutação específica observada com relação a Ômicron 'original', está sendo investigada pelas autoridades de saúde, mas não foi considerada uma variante preocupante. /COM INFORMAÇÕES DA REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.