Suíça pode ter escondido gripe aviária

A gripe aviária chega à Suíça e, pela primeira vez na Europa, a poucos metros de uma zona urbana importante, Genebra. Depois de muita confusão em relação às informações sobre o caso, o governo suíço esclareceu que as amostras da ave infectada foram enviadas ao laboratório de referência da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Londres e que os testes finais ficarão prontos em uma semana. O objetivo do teste é confirmar se o vírus é a versão mais letal, o H5N1. Apesar de ainda não estar confirmado o caráter mais agressivo do vírus, os funcionários do governo suíço reconhecem que o pato encontrado morto perto de Genebra deve ser portador do vírus. O animal foi localizado entre dois barcos em um porto no Lago Leman, próximo da cidade que é sede de vários organismos internacionais, entre eles a própria OMS. Para Hans Wyss, diretor do Escritório Federal de Veterinária, a expectativa é mesmo de que o vírus seja o mais severo e que, potencialmente, pode ser transmitido a seres humanos. O caso, apesar de isolado até agora, levantou suspeitas na Suíça de que o governo manteve a informação em sigilo por alguns dias. Nos últimos meses, a agência de Saúde da ONU tem criticado governos autoritários, como o da China, por demorarem a dar informações sobre casos de gripe. Agora, porém, é a vez de as suspeitas pairarem sobre um governo democrático. A confusão foi ainda maior diante das noticias desencontradas dadas pelos suíços ontem. O pato foi encontrado morto na quarta-feira, e só ontem a informação foi divulgada. Pela manhã, os suíços deixaram claro que as indicações eram de que a ave encontrada em Genebra, além de outras em Stein am Rhein, na fronteira com a Alemanha, foram contaminadas pelo H5N1. Horas depois, os veterinários da Universidade de Zurique desmentiram a informação e apontaram que, por enquanto, apenas encontraram a cepa H5 no vírus. As autoridades suíças se apressaram também a garantir que o caso foi registrado apenas em um animal selvagem e que todas as aves criadas para consumo continuam supostamente isoladas. O ministro de Economia do país, Joseph Deiss, foi várias vezes à TV pedir que a população não entre em pânico e que não haveria restrição para o consumo de carne de frango. Ele ainda deu garantias de que o governo atuará para evitar uma proliferação de casos. O governo ainda alertou que uma pandemia de gripe entre a população suíça poderia gerar cerca de 10 mil mortos, além de 50 mil hospitalizações. Mesmo assim, as cidades próximas de Genebra estabeleceram novas medidas de precaução para evitar que suas comunas também fossem infectadas. Uma zona de vigilância também foi estabelecida no Lago Constance, também na Suíça. Em todos os países que fazem fronteira com a Suíça - França, Alemanha, Itália e Áustria - já foram encontradas aves infectadas pelo vírus.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.