Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Summit Saúde Brasil: Medicamentos do futuro devem ter foco no paciente

Especialistas que participaram do Summit Saúde Brasil 2017 destacaram, ainda, a necessidade de acesso aos remédios e tratamentos

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

14 de agosto de 2017 | 17h35

Os medicamentos do futuro deverão focar no paciente e ter mais disponibilidade de acesso. É o que defendeu o presidente da Roche Farma Brasil, Rolf Hoenger, no painel Medicamentos do Amanhã, realizado durante o Summit Saúde Brasil 2017, organizado pelo Estado.

"Lembro muito de um paciente que me falou: todos queremos não só viver, mas ter também as mesmas oportunidades de tratamento. Esse é um resumo do que a medicina deve ser no futuro", ressalta. "Quando se pensa no futuro, falamos de personalização. E isso já é realidade. Você faz um teste, detecta mutações e consegue individualizar um tratamento. Se o paciente não tem informação, provavelmente vai chegar muito tarde na cadeia dos medicamentos, e aí não é possível prolongar sua vida com boa qualidade."

Jorge Alves, da BMS, lembrou que a enorme quantidade de informações geradas hoje no setor da saúde poderá evitar desperdícios e fazer com que, cada vez mais, o paciente consiga usar exatamente a medicação que precisa. "A Big Data vai ajudar muito na definição do melhor tratamento, de forma a evitar desperdícios"

Já a diretora médica da Sanofi, Luciana Giangrande, destacou que há hoje 7 mil moléculas em desenvolvimento e cerca de metade delas trazem algum mecanismo de ação inovador. Ela destacou a atuação do grupo em que atua nas doenças raras. "Há hoje cerca de 7 mil doenças  raras e só 5% têm tratamento disponível. A maioria têm cunho genético".

Uma dos cuidados que essas mudanças devem ter, segundo Luciana Holtz, do Oncoguia, é que novos remédios devem vir também com o maior acesso pela população.  "A palavra-chave de tudo que estamos discutindo é o acesso. É preciso discutir o acesso ao exame, ao especialista, ao tratamento e à equipe multidisciplinar". Ela destacou que, mesmo com a existência de uma lei que garante o acesso ao tratamento pelo SUS ao paciente com câncer dentro e 60 dias, há ainda uma disparidade. "Há necessidade de um esforço muito grande para que isso vire uma prática".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.