Superbactéria mata dois no Ceará e cinco estão em observação

Foi instaurada uma ação no Ministério Público do Estado para apurar o que houve com as vítimas; todas apresentavam uma superbactéria chamada de KPC

Lauriberto Braga, Especial para o Estado,

16 de março de 2012 | 20h43

A morte de duas pessoas suspeitas de uma superbactéria no Instituto do Câncer do Ceará (ICC) nesta semana motivou uma ação do Ministério Público Estadual. A procuradora estadual da Saúde, Isabel Porto, quer saber dessa suspeita para responsabilizar o hospital pelas mortes e pelas suspeitas de que outros cinco pacientes esteriam internados com a contração da superbactéria chamada de KPC.

Hoje o Ministério Público Estadual enviou ofício à direção do ICC pedindo todas informações sobre os casos de infecção pela KPC. Segundo a procuradora, Isabel Porto, somente com estes dados o Ministério Público poderá adotar alguma providência. "Não tive contato com a direção do ICC. Pretendo fazer isso na próxima semana, mas o procedimento já foi instaurado e os ofícios foram encaminhados", informa Isabel Porto, lamentando as duas mortes.

No ICC há a suspeita, ainda não comprovada laboritoralmente da existência da bactéria na unidade de saúde. São sete casos de contaminação que estão em investigação com as duas pessoas mortas. Os nomes das vítimas não foram revelados pelo ICC, que preferiu não se manifestar sobre o assunto, garantindo no entanto informar todo o procedimento a procuradora estadual da Saúde, Isabel Porto.

 

Tudo o que sabemos sobre:
SuperbacteriamorteCearáSaúdeVida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.