Evelson de Freitas/Estadão<br>
Evelson de Freitas/Estadão<br>

Superintendente e tesoureiro da Santa Casa pedem demissão

Sócios em empresa de consultoria, pedido de demissão veio após revelação sobre contratos; instituição vive grave crise financeira

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

15 Setembro 2014 | 20h56

No final de julho, a Santa Casa fechou seu pronto-socorro por 30 horas por falta de recursos para a compra de materiais e medicamentos. O serviço foi reaberto após um repasse emergencial de R$ 3 milhões feito pela Secretaria Estadual da Saúde.

O pedido de demissão de Antonio Carlos Forte, superintendente, e Hercílio Ramos, tesoureiro, acontece menos de uma semana depois de reportagem do jornal Folha de S.Paulo revelar que os dois foram contratados para prestar consultoria para a Andrade Gutierrez, grupo empresarial dono da Logimed, maior fornecedora de materiais para a Santa Casa.

Forte e Ramos são sócios na empresa de consultoria Apocatú, criada em 2008, quando passaram a prestar serviços para o grupo. No mesmo ano, a Logimed foi contratada pela entidade para fornecer insumos ao complexo hospitalar.

Segundo o jornal, a empresa Apocatú teria recebido cerca de R$ 100 mil em cinco anos pelos serviços de consultoria prestados para a Andrade Gutierrez. O contrato já foi encerrado.

Explicação. Em nota divulgada na semana passada, Forte e Ramos confirmaram os serviços prestados e disseram que “não há nenhum impedimento legal ou ético de que exerçam outras atividades profissionais”. De acordo com eles, “não houve favorecimento a nenhuma empresa que tenha sido atendida pela Apocatú ou por seus sócios”.

A Santa Casa negou qualquer irregularidade. Na ocasião, afirmou que o contrato com a Logimed representou economia de recursos e aperfeiçoamento da gestão de suprimentos da entidade e disse que a instituição passa por rigorosos controles internos e por auditorias.

Ontem, o provedor da instituição, Kalil Rocha Abdalla, afirmou que o desligamento de Forte e Ramos foi motivado por um pedido dos dirigentes e ainda não foram definidos os nomes dos substitutos. Segundo a assessoria da Santa Casa, os dois deverão ficar no cargo até o fim do mês e participarão do processo de transição da nova chefia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.