Surto europeu de 'E. coli' estaria ligado a sementes egípcias

Sementes de alforva (ou feno-grego) importadas do Egito podem ter desencadeado o surto da bactéria "E. coli" na Alemanha e França, que já matou pelo menos 48 pessoas, segundo pesquisas preliminares de cientistas europeus.

REUTERS

30 Junho 2011 | 19h19

Mais de 4.000 pessoas já foram contaminadas pela doença na Europa e América do Norte desde o começo de maio. Quase todos os afetados viviam na Alemanha ou haviam passado por lá recentemente.

A epidemia alemã e um surto menor em torno da cidade francesa de Bordéus vinham sendo atribuídos ao consumo de brotos comestíveis.

Especialistas do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC), com sede na Suécia, e da Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA), da Itália, disseram que os estudos preliminares sugerem que "o consumo de brotos é o veículo suspeito da infecção tanto no aglomerado (de casos) francês quanto no surto alemão."

"A reconstituição (da origem) está progredindo, e até agora tem demonstrado que as sementes de feno-grego importadas do Egito em 2009 e/ou 2010 estão implicadas em ambos os surtos", disseram as instituições em um comunicado conjunto.

A cepa da "E. coli" envolvida nos atuais surtos é a STEC O104:H4, que pode causar diarreia grave e, em alguns casos, insuficiência renal e morte.

(Por Eric Kelsey e Kate Kelland)

Mais conteúdo sobre:
CIENCIA ECOLI EGITO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.