Massimo Percossi/EPA/EFE
Massimo Percossi/EPA/EFE

Suspeita de coronavírus deixa 7 mil pessoas retidas em cruzeiro na Itália

Turista chinesa apresentou febre e dificuldades respiratórias; demais ocupantes foram impedidos de deixar navio

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2020 | 11h40

CIVITAVECCHIA - Cerca de 7 mil pessoas estão retidas em um navio da Costa Cruzeiros em Civitavecchia, a 80 quilômetros de Roma, capital da Itália, após uma turista chinesa ter apresentado febre e dificuldades respiratórias. A mulher, que viaja com o marido, é proveniente de Hong Kong e chegou à Itália via Milão, em 25 de janeiro. O casal está em isolamento no hospital de bordo do navio e é acompanhado por médicos do Instituto Lazzaro Spallanzani, especializado em doenças contagiosas.

Os especialistas fazem exames para descobrir se os chineses contraíram o novo coronavírus (2019-nCoV), que já contaminou cerca de 7,8 mil pessoas e matou pelo menos 170, a maioria delas na província de Hubei, epicentro da epidemia.

As outras 7 mil pessoas a bordo, entre passageiros e tripulantes, foram impedidas de descer do transatlântico por enquanto. O roteiro do navio já incluiu Marselha, na França, Barcelona e Palma de Mallorca, na Espanha, e Savona, na Itália.

"Estamos aguardando para conhecer o resultado das verificações ainda em curso, mas tudo que precisava ser feito foi feito. A situação está sob controle, e não há motivos para preocupações a bordo", disse o comandante da Guarda Costeira na região do Lazio, Vincenzo Leone. 

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

O 2019-nCoV é similar ao coronavírus da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), doença que matou quase 800 pessoas no início do milênio, e provoca febre, tosse e dificuldades para respirar. /ANSA

TV Estadão: brasileiro fala que ninguém sai de casa na China

Coronavírus: estamos próximos de uma pandemia? Ouça no podcast Estadão Notícias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.