Tabaco sem fumaça é menos cancerígeno, diz estudo

Segundo especialistas, mais de 30 substâncias cancerígenas não estão presentes no tabaco sem fumaça

Efe

01 de julho de 2008 | 20h20

Os diferentes tipos de tabaco sem fumaça (mastigável ou rapé) são menos cancerígenos do que os usados para fumar, mas os que consomem não estão livres de perigo, afirma a edição mais recente da revista médica The Lancet Oncology.   O professor Paolo Boffetta, da Agência Internacional de Pesquisa do Câncer de Lyon (França) e seus colegas observaram as diversas formas de consumo do tabaco sem fumaça, tanto oral quanto nasal, e o risco associado ao uso.   Segundo os especialistas, calcula-se que mais de trinta substâncias cancerígenas não estão presentes no tabaco sem fumaça.   A revista informa que uma análise de todos os estudos realizados neste campo indica que o risco de câncer de boca aumenta 80% entre os que usam este tabaco, enquanto no caso do de esôfago fica em 60% e, no de pâncreas, o risco também é de 60%.   Em relação ao câncer de pulmão, os resultados não são determinantes, pois os estudos do norte da Europa sugerem que não há um excesso de risco, mas os dos Estados Unidos mostram um aumento do risco de 80%.   Os especialistas ressaltam que experimentos em animais indicam que há um teor de cancerígenos no tabaco sem fumaça, e não o recomendam como substituto dos cigarros.   Os médicos estimam que o risco de câncer devido ao uso do tabaco sem fumaça é menor que o do com fumaça, mas é maior que nas pessoas que não consomem nenhum tipo deles.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdecâncer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.