Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Tabata diz que Ministério da Educação adiar Enem e fazer consulta sobre data é 'capricho'

Deputada explicou que Câmara se preparava para votar um projeto sobre o assunto, e o Senado já havia aprovado na noite anterior

Renata Cafardo e Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2020 | 22h01

Para a deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) a decisão do Ministério da Educação (MEC) de adiar o Enem e fazer uma consulta sobre a data foi feita por "capricho". Isso porque a Câmara se preparava para votar um projeto sobre o assunto, que o Senado já havia aprovado na noite anterior. Além disso, secretários de educação, universidades e alunos pediam o adiamento há semanas. "Que bom que pressão funcionou, foi uma vitória dos estudantes, mas com uma resposta medíocre do MEC."

Para ela, em vez de fazer enquete, o MEC precisa liderar e coordenar o esforço de educação não presencial no País nesse momento de pandemia para que os alunos mais pobres não sejam prejudicados. "Só vamos saber a data certa na hora que o MEC conversar com as redes, com reitores, e juntos definirem um calendário, considerando a organização durante e pós pandemia", completa.

O deputado federal Idilvan Alencar (PDT-CE) – que acionado o Tribunal de Contas da União (TCU) e o Supremo Tribunal Federal (STF) contra a manutenção da data da prova – afirma que a comunicação do adiamento por meio de uma nota enviada pelo Inep ainda não traz segurança necessária aos estudantes. Para ele, a data da prova tem de estar atrelada ao calendário escolar deste ano e à retomada das aulas. “Vou continuar trabalhando para que o Congresso vote” o adiamento da data, disse. “Ao menos, o adiamento mostra agora que o Ministério da Educação não pode tudo”, disse.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.