Taiwan vende 'viagra africano' feito com a raiz de vuka-vuka

Eficácia da planta ainda não foi comprovada e, por isso, autoridades da ilha pedem cautela no uso da raiz

Efe,

26 de março de 2008 | 08h51

Agricultores e empresários taiwaneses têm unidos forças para comercializar a planta africana vuka-vuka, a qual se atribui efeitos curativos para as funções sexuais. No entanto, até que existam provas médicas de sua eficácia, as autoridades da ilha pedem moderação no uso da raiz dessa planta.  "Se trata de uma medicina tradicional em Malaui e Zimbábue para as disfunções sexuais, mas são necessárias mais investigações clínicas", disse o diretor geral do Conselho de Agricultura, Chen Yuan-wu. A vuka-vuka é comercializada, em pó ou em cápsulas, como complemento alimentar e está comprovado seu grande valor nutritivo e o impacto positivo que causa na circulação sanguínea.  "A planta tem vitaminas A, D, E e K, além de minerais como o zinco, ferro e cálcio", disse Chen.  Nas línguas nguni do sul da África vuka-vuka quer dizer "desperta, revive", com efeitos evidentes sobre a secreção hormonal.  Os médicos taiwaneses também investigam o desempenho do vuka-vuka para aliviar a dor do nervo ciático e o aumento do tamanho da próstata.  Na zona de Taichung, no centro de Taiwan, a vuka-vuka já é chamada de "ginseng africano" e é usada, entre outras coisas, na preparação de sopas de frango.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.