Markus Spiske/Unsplash
Markus Spiske/Unsplash

Talento artístico já nasce com você?

A aptidão para desenhar ou cantar, por exemplo, pode ser vista em crianças ainda muito pequenas, apontam especialistas

Haben Kelati, Washington Post

05 de março de 2022 | 05h00

Assim como algumas pessoas nascem com uma boa voz para cantar, algumas outras têm uma habilidade natural para desenhar. Você pode ter um colega de classe que consegue desenhar coisas que parecem exatamente como na vida real, ou talvez esse seja o seu talento.

Jennifer Drake, professora associada de psicologia do Brooklyn College, em Nova York (Estados Unidos), estuda essas crianças, conhecidas como “realistas precoces”. Precoce é uma palavra usada para descrever uma criança que desenvolveu uma certa habilidade mais cedo do que o habitual.

“Essas crianças são capazes de desenhar (muito) realisticamente, e esse é um dos primeiros sinais de talento que você vê no desenho infantil”, diz Jennifer sobre seus objetos de pesquisa. Enquanto a maioria das crianças de 3 anos usa coisas simples, como palitos, para representar, por exemplo, uma maçã, as realistas precoces conseguem desenhar algo redondo que realmente lembra a fruta.

Há uma habilidade específica que permite que esses jovens artistas se destaquem no desenho realista. “Você tem de evitar o contexto geral e se concentrar nos detalhes”, explica a professora do Brooklyn College. “Então o que descobrimos é que esses realistas precoces realmente se destacam nisso, (eles são) realmente capazes de se concentrar nos detalhes e evitar o todo”, diz.

Muitas dessas crianças têm o que a psicóloga Ellen Winner descreve como “fúria para a maestria”. Elas gostam tanto de desenhar e melhorar sua habilidade que ficam fazendo arte o tempo todo. Jennifer diz: “Essas crianças têm motivação (natural) para criar e desenhar. Então elas não são motivadas por recompensas externas”.

Prazer em desenhar

Para Jarrett Krosoczka, descobrir seu amor pela arte não teve nada a ver com ser recompensado. Muito antes de escrever e ilustrar graphic novels campeãs de vendas, como a série Lunch Lady, ele adorava desenhar.

“Quando revisito os cadernos de desenho que tive na adolescência, não estou nem olhando para o processo artístico, mas para a jornada emocional que estava trilhando”, conta Krosoczka. Desenhar é entender suas emoções e o que você vê e vivencia no mundo ao seu redor, diz o profissional.

“É uma forma de meditação. O importante é conseguir afastar o pensamento de como o desenho vai sair e só se concentrar no fato de que você está fazendo traços numa página e vivendo naquele momento”, afirma. “E, para mim, é uma forma de me centrar, um escapismo. É uma forma de processar as coisas”.

Krosoczka acha que qualquer pessoa – talentosa ou não – pode se beneficiar dessa atividade. Quando a pandemia de coronavírus começou e as crianças precisavam de atividades para preencher o tempo em casa, ele começou a transmitir aulas de arte online chamadas de Desenhe Todos os Dias.

Essas aulas estão disponíveis para quem quiser assistir no canal de Krosoczka no YouTube. Elas cobrem tópicos como desenhar com carvão, representar movimento com traços rápidos e explicar como as cores estão associadas a certos humores. Embora tenha visto seus alunos melhorarem as habilidades, esse não é o objetivo principal de Krosoczka. “A ideia não é saber se o desenho vai ficar bom ou não”, diz. “Você só tem de gostar do processo. Em cada desenho que você faz você aprende algo para o próximo”.

TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Tudo o que sabemos sobre:
criançaeducação artística

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.