Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Taxa de ocupação chega a 90% em leitos de UTI na cidade do Rio

De 282 pessoas com suspeita e à espera de vaga, 201 precisam de uma UTI

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2020 | 11h27

RIO - A cidade do Rio iniciou a semana com 282 pessoas com suspeita de covid-19 aguardando vaga em hospitais da rede pública. Desse total, 201 pacientes precisam de um leito em UTI. A capital está com 90% de seus leitos de tratamento intensivo ocupados na rede pública. 

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), em toda a rede SUS da cidade — que inclui leitos de unidades municipais, estaduais e federais — há 1.908 pacientes internados com suspeita da doença, sendo 669 em UTI.

Enquanto a taxa de ocupação nas unidades de tratamento intensivo atinge 90%, a situação nos leitos de enfermaria é um pouco melhor — 81% para os pacientes com covid-19. "Importante ressaltar que a taxa de ocupação reflete o cenário dos leitos no momento da consulta ao sistema, podendo ter outro número diferente minutos depois, com a cessão e a devida ocupação pelos pacientes, altas e óbitos", informou a SMS na manhã desta segunda-feira, 25.

Desde o início da pandemia, a prefeitura do Rio abriu 922 leitos exclusivos para o tratamento da covid-19, segundo dados da secretaria da saúde. Desse total, 204 são leitos de UTI.

"No Hospital de Campanha da Prefeitura, no Riocentro,  há 150 pacientes internados. Deste total, 47 estão em UTI", informou a pasta. "O hospital já recebeu os novos respiradores comprados na China e a Secretaria Municipal de Saúde está providenciando os recursos humanos necessários para colocar a unidade em funcionamento pleno nos próximos dias."

O Rio é o segundo Estado no País em números de casos e mortes pelo novo coronavírus. De acordo com balanço do Ministério da Saúde, divulgado neste domingo, são 3.993 óbitos e 37.912 casos confirmados da doença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.