Divulgação/ESO
Divulgação/ESO

Telescópio no Chile cria mosaico detalhado de nebulosa distante

O mosaico revela uma região central com cerca de 15 anos-luz de diâmetro

estadão.com.br, estadão.com.br

01 Novembro 2010 | 13h22

Astrônomos usando dados do telescópio VLT do Observatório Europeu Sul (ESO), baseado no Chile, obtiveram um mosaico detalhado de imagens da nebulosa Messier 17, também conhecida como Nebulosa Omega ou Nebulosa do Cisne. A imagem mostra enormes nuvens de gás e poeira, iluminadas pela radiação intensa de estrelas jovens.

 

O mosaico revela uma região central com cerca de 15 anos-luz de diâmetro, embora a nebulosa em si seja muito maior, com cerca de 40 anos-luz. Messier 17 fica na constelação de Sagitário, a cerca de 6.000 anos-luz da Terra.

 

No centro da imagem há um aglomerado de estrelas jovens e de grande massa, cuja radiação intensa faz com que o gás hidrogênio das imediações brilhe.

 

Na parte inferior direita do aglomerado há  uma grande nuvem de gás molecular. Em luz visível, os grãos de poeira da nuvem obscurecem a visão, mas na luz infravermelha, o brilho do hidrogênio que existe por trás pode ser visto atravessando o obstáculo.

 

Escondido nessa região, que tem uma aparência escura e avermelhada, os cientistas encontraram a silhueta opaca de um disco de gás e poeira. Embora apareça pequeno nessa imagem, o disco tem um diâmetro 20.000 vezes maior que a distância que separa a Terra do Sol.

 

Astrônomos creem que o disco está girando e fornecendo material para uma estrela central, ainda em formação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.