Temporão participa na terça de debate sobre dengue na Câmara

Ministro da Saúde reconheceu na última quarta-feira que o governo federal errou no combate à doença

Agência Brasil,

05 de maio de 2008 | 13h37

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, participa na terça-feira, 6, às 14 horas (de Brasília), de uma audiência pública na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados para discutir o surto da dengue no Brasil. O aumento no registro da doença começou no Rio de Janeiro no início deste ano. Mais de 100 pessoas já morreram em decorrência da dengue no Estado, sendo que quatro em cada dez mortos foram menores de 15 anos.    O avanço da dengue  Temporão admite erro do governo no combate à dengue  Rio registra dez mortes por dengue em uma semana  Dengue hemorrágica já mata mais que em todo o ano de 2006   O ministro reconheceu na última quarta-feira, em Maceió, que o governo federal errou no combate à dengue, quando não deu à questão a dimensão necessária, mas que procura corrigir esse erro, cobrando dos governadores e prefeitos do Brasil ações mais efetivas no enfrentamento da doença.   Segundo Temporão, "se cada um não fizer a sua parte, teremos em 2009 uma epidemia maior do que a registrada este ano em alguns Estado". "Precisamos da participação de todos os setores da sociedade para conter o avanço da doença no País", acrescentou o ministro.   Nas regiões Norte e Nordeste também houve crescimento no número de casos registrados em 2007 de respectivamente 49,3% e 30,5%. No Norte, o Amazonas apresentou o maior aumento (547,7%), com 5.117 suspeitas, grande parte registrada em Manaus.   Sergipe foi o estado nordestino com mais casos de dengue. Ao todo, 4.485 ocorrências nos primeiros quatro meses deste ano, o equivalente a 1.271,6% de aumento em relação ao mesmo período do ano passado. Aracaju, Nossa Senhora do Socorro e Laranjeiras foram as cidades com mais ocorrências.   (com Ricardo Rodrigues, da Agência Estado)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.