Werther Santana/ Estadão
Werther Santana/ Estadão

'Tenho medo, mas tenho um dever', conta bombeiro 

André Elias, tenente do Corpo de Bombeiros de São Paulo, diz que uma das principais mudanças causadas pela pandemia foi na utilização dos equipamentos de proteção individual

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2020 | 04h59

André Elias, de 34 anos, tenente do Corpo de Bombeiros de São Paulo. Morador de Guarulhos, região metropolitana de São Paulo. Solteiro.

Uma das principais mudanças causadas pela pandemia foi na utilização dos equipamentos de proteção individual. Para os casos confirmados de covid-19, nós usamos um macacão impermeável, avental, luvas e óculos. Todos são materiais descartáveis, a gente usa uma vez e já joga fora, menos os óculos. Ao deixar a vítima no hospital, a gente passa por uma desinfecção imediata também.

Temos uma atenção maior com os equipamentos e as viaturas. A desinfecção é feita após cada atendimento com detergente e álcool em gel. É um trabalho bem cauteloso, feito sem pressa. Antes isso só era feito quando havia suspeita de algum contaminante. O bombeiro é incentivado a lavar seu fardamento no próprio quartel, sem levá-lo para casa. Temos máquinas de lavar aqui. Também é recomendado tomar um banho antes de ir para casa.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
De maneira geral, tivemos uma queda no número de todo tipo de ocorrências
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
André Elias, tenente do Corpo de Bombeiros de São Paulo

Atendemos cerca de 1.400 chamados por dia no Estado de São Paulo, a grande maioria de acidentes de trânsito. Quando recebemos uma ocorrência para a viatura pelo número 193, nós já sabemos do que se trata. O atendimento do coronavírus não é complexo, mas tem o risco de contágio. Os casos não são muitos, mas têm impacto emocional grande. Ele aumenta quando uma notícia chega mais perto da gente. Nós perdemos uma sargento do Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) recentemente por causa da covid-19. Abala. 

Você ouve dizer e de repente aquilo é real. Por trás da farda, existe um ser humano. Tenho medo de ser contaminado, mas tenho um dever a cumprir. Somos a esperança da população. Nós também estamos isolados. Quando não estamos no quartel, estamos em casa, em quarentena. É casa, quartel, quartel, casa. Mudamos a escala de trabalho para diminuir o contato diário com as pessoas nos quartéis, mas nós não temos home office.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.