GABRIELA BILO/ ESTADÃO
GABRIELA BILO/ ESTADÃO

'Tenho pavor do parto normal e não quero passar por isso', diz farmacêutica

Para Amanda Rossi Fagundes, novas regras da ANS darão autonomia para a mulher decidir como seu bebê deve nascer

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

06 Julho 2015 | 21h27

Com dois planos de saúde e grávida de cinco meses, a farmacêutica Amanda Rossi Fagundes, de 29 anos, já decidiu que se submeterá a uma cesárea e acredita que as novas regras da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) vão dar autonomia para que as mulheres decidam qual tipo de parto querem fazer. “O melhor é que ela (a portaria) vai dar a oportunidade para a mulher decidir se quer um parto normal ou cesárea e ponto final. Acho que as mulheres vão ficar mais bem informadas.”

Amanda conta que não é contra o parto normal, principal foco da resolução, mas que prefere a cirurgia. “Tenho pavor de parto normal e não quero passar por isso. Eu pesquisei sobre o assunto, mas, mesmo sabendo dos problemas da recuperação, optei pela cesariana.” Ela diz que, mesmo se tivesse de pagar pelo procedimento, não mudaria de ideia. “Eu me programaria financeiramente para fazer a cesárea.”

Grávida de sete meses, a dona de casa Natália Viana Brasil, de 31 anos, desistiu de fazer um plano de saúde para usar o serviço durante a gravidez ao notar o alto índice de cirurgias realizadas pelas operadoras. “Quando planejei engravidar, fui pesquisar os cenários obstétricos do País e vi que, nos planos, a maioria dos médicos faz cesariana e já agenda a data do parto. Optei por não ter o plano, porque o custo que teria pagando por dois anos seria o de ter um parto normal particular sendo a protagonista.”

Natália planeja ter um parto normal domiciliar, mas também está em contato com uma obstetra caso seja necessário fazer uma intervenção cirúrgica. Ela defende as novas regras para o parto. “Pode ser um primeiro passo para acabar com a epidemia de cesarianas que coloca mães e bebês em um risco desnecessário.” 

Mais conteúdo sobre:
ANS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.