Terapia genética ajuda macacos com mal de Parkinson

Os cientistas dizem que já há um teste clínico desse tratamento em andamento em seres humanos

EFE,

14 de outubro de 2009 | 16h43

Uma equipe médica francesa testou, com bons resultados, um tratamento genético para o mal de Parkinson em macacos, revela um estudo publicado pela revista Science Translational Medicine.

 

Cientistas descobrem gene ligado a tremor

 

Segundo os pesquisadores do centro de pesquisa molecular de Fontenay-aux-Roses, o tratamento evita os movimentos involuntários característicos da doença.

 

A perda de dopamina provoca o descontrole nos movimentos corporais. O tratamento normal consiste em administrar remédios que aumentam o nível da substância no cérebro dos pacientes.

 

No entanto, esse tratamento não mantém os níveis de dopamina para um funcionamento normal, o que conduz a um transtorno motor chamado discinesia.

 

Para simular a doença, os cientistas aplicaram nos macacos uma neurotoxina que provoca a doença até o momento em que os animais apresentaram os tremores, a rigidez e a postura instável que são típicos do mal de Parkinson.

 

 Para iniciar o tratamento, os cientistas inseriram no cérebro dos macacos três genes cruciais na produção da dopamina.

 

 A observação constante dos animais durante mais de três anos revelou um restabelecimento dos níveis de dopamina, corrigiu os transtornos motor e não teve efeitos secundários.

 

 Em seu relatório, os cientistas dizem que já há um teste clínico desse tratamento em seres humanos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.