Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Tereza Cristina pede reformulação de nota técnica sobre alimentos ultraprocessados

Documento pedia ao Ministério da Saúde que removesse trechos com críticas aos alimentos industrializados

André Borges / BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2020 | 18h22

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, pediu aos técnicos da pasta que reformulem a nota técnica sobre o guia alimentar do País. O documento, que causou polêmica na semana passada, pedia ao Ministério da Saúde que removesse trechos com críticas aos alimentos industrializados. A decisão de revisar o conteúdo foi confirmada à reportagem pela própria ministra.

Na nota, o Mapa classificava o Guia Alimentar Para a População Brasileira como um dos piores do mundo, mas não citava fontes ou evidências científicas que chegassem a essa conclusão. Tereza Cristina devolveu o documento e pediu que seja refeito. O guia, elaborado pela Saúde e válido desde 2014, quando a edição mais atualizada foi publicada, traz diretrizes sobre alimentação adequada e saudável para a população brasileira, com recomendações que privilegiam alimentos in natura ou pouco processados.

Nesta semana, dois cientistas das Universidades de Oxford (Reino Unido) e Harvard (Estados Unidos), autores de um estudo que analisou guias alimentares de dezenas de países, acusaram a Associação Brasileira de Indústria de Alimentos (Abia) de desonestidade, por usar os resultados de sua pesquisa de forma distorcida para atacar o guia brasileiro.

A Abia endossou parte das críticas do Ministério da Agricultura ao documento e usou como uma das evidências da suposta falta de qualidade das diretrizes brasileiras um estudo internacional publicado neste ano no periódico científico The British Medical Journal (BMJ), um dos mais importantes do mundo, que avaliou as implicações da adoção de guias alimentares nacionais na saúde e no meio ambiente.

A pesquisa foi citada em posicionamento oficial da Abia, que pede a revisão do guia. Ao saberem que a pesquisa estava sendo usada para criticar o guia brasileiro, os cientistas divulgaram uma nota de esclarecimento em que afirmam que a declaração da Abia faz uma interpretação “grosseira” e um mau uso da publicação científica de autoria deles.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.